sicnot

Perfil

Daesh

Turquia acusa Rússia de "propaganda soviética"

Turquia acusa Rússia de "propaganda soviética"

O Governo turco rejeita as acusações russas de apoio ao Estado Islâmico. O primeiro-ministro diz que Vladimir Putin está a fazer propaganda.

O presidente russo insistiu hoje na acusação de que a Turquia "está a encher os bolsos com petróleo roubado" na Síria e Iraque, com as autoridades turcas a qualificarem as afirmações como "mais propaganda soviética".

Em Moscovo, numa intervenção no Parlamento sobre o Estado da Nação, Vladimir Putin disse saber quem na Turquia "enche os bolsos com o petróleo roubado", aludindo ao presidente turco, Recep Erdogan, e respetiva família, acusados pelo chefe de Estadio russo de serem quem beneficia com o negócio do crude saqueado pelo Estado Islâmico (EI).

Putin ressalvou que não esquecerá o ataque da Turquia ao bombardeiro SU-24 russo, que considerou "crime de guerra", ressalvando, porém, que Moscovo não irá recorrer às armas para responder a Ancara.

"Não esperem uma reação nervosa e histérica, perigosa para nós próprios e para o resto do mundo", afirmou Putin, indicando que a resposta russa ao incidente não se limitará às sanções económicas anunciadas esta semana contra a Turquia, que incluem o fecho do mercado russo a produtos alimentares turcos.

"Se alguém pensa que cometer um crime de guerra e assassinar a nossa gente lhes custará apenas uns tomates engana-se. Voltaremos a recordar o que fizeram e ainda o vão lamentar mais de uma vez. Sabemos o que devemos fazer", avisou Putin, sem adiantar pormenores.

O presidente russo salientou não compreender as razões que levaram as autoridades turcas a ordenar o derrube do aparelho que, segundo Ancara, violou o espaço aéreo turco ao sobrevoar a fronteira turco-síria.

"Só Alá saberá por que o fizeram. Parece que Alá decidiu castigar o bando de governantes da Turquia, acabando-lhes com a sensatez", concluiu Putin, numa intervenção a que assistiram as viúvas do piloto russo abatido e de um soldado de infantaria que também viria a morrer nas operações de resgate do aparelho abatido.

Em Ancara, o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, já respondeu às acusações russas e considerou-as "propaganda soviética".

"Durante a Guerra Fria, existia uma máquina de propaganda soviética, em que divulgavam as mensagens tipo Pravda (nome do extinto jornal do Partido Comunista da União Soviética). Pensamos que o período soviético da Rússia tinha desaparecido mas reapareceu. Esta forma de recorrer a métodos de propaganda para esconder os problemas com os seus vizinhos está a voltar aos poucos", afirmou o chefe do executivo turco.

"Ninguém presta atenção nem credibilidade a essa máquina de propaganda soviética", disse o chefe do Governo islâmico-conservador turco.

Apesar das tensões, os ministros dos negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, e turco, Mevlut Cavusoglu, deverão reunir-se hoje em Belgrado, à margem de um encontro ministerial da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), o primeiro desde o início da crise.

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.