sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Turquia diz ter provas de ligações da Rússia ao tráfico de petróleo do Daesh

O Presidente turco, o islâmico-conservador Recep Tayyip Erdogan, afirmou hoje ter provas do envolvimento da Rússia no tráfico de petróleo do grupo extremista Estado Islâmico, Daesh, na Síria.

Erdogan considerou imorais as declarações feitas pela Rússia, que acusou diretamente o Presidente turco e a sua família de lucrarem com o contrabando do petróleo roubado pelo Daesh na Síria

Erdogan considerou imorais as declarações feitas pela Rússia, que acusou diretamente o Presidente turco e a sua família de lucrarem com o contrabando do petróleo roubado pelo Daesh na Síria

© Christian Hartmann / Reuters

"Temos provas. Vamos começar a revelá-las ao mundo", disse o governante durante uma intervenção diante de sindicalistas na capital turca, Ancara.

O líder mencionou o nome de um empresário sírio, George Haswani, "titular de um passaporte russo", que beneficia, segundo Erdogan, das vendas do crude extraído pelos jihadistas dos poços que controlam na Síria e no Iraque.

A par de sanções impostas pela União Europeia (UE), o empresário George Haswani foi visado recentemente por sanções financeiras dos Estados Unidos.

O empresário sírio é acusado por Bruxelas e Washington de comprar petróleo ao EI em nome do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

Na mesma intervenção, Erdogan considerou imorais as declarações feitas pela Rússia, que acusou diretamente o Presidente turco e a sua família de lucrarem com o contrabando do petróleo roubado pelo EI na Síria.

"A Rússia é obrigada a provar essas alegações (...) aquelas que implicam a minha família são de natureza imoral", reforçou o governante.

Acrescentou que "a Rússia tem de provar que a república turca compra petróleo do Daesh [acrónimo árabe do grupo Estado Islâmico]", caso contrário, trata-se de uma calúnia.

O vice-ministro russo da Defesa, Anatoli Antonov, afirmou na quarta-feira, em declarações à comunicação social, que "a classe política dirigente [turca], incluindo o Presidente Erdogan e a sua família, está implicada no comércio ilegal" de petróleo com os jihadistas.

Anatoli Antonov referiu-se em particular ao genro de Erdogan, Berat Albayrak, de 37 anos, recentemente nomeado ministro da Energia e que durante muitos anos dirigiu o grupo Calik Holding (especializado em energia), e a um dos filhos do Presidente, Bilal, líder de um grupo especializado em obras públicas e transporte marítimo.

A Turquia e a Rússia estão envolvidas numa guerra de palavras desde o abate de um avião militar russo pelas forças aéreas turcas na fronteira síria, no passado dia 24 de novembro.

Apesar do clima de tensão, os ministros dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, e turco, Mevlut Cavusoglu, devem encontrar-se hoje em Belgrado (Sérvia), à margem de uma reunião ministerial da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Será o seu primeiro encontro desde o início da crise.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.