sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Turquia diz ter provas de ligações da Rússia ao tráfico de petróleo do Daesh

O Presidente turco, o islâmico-conservador Recep Tayyip Erdogan, afirmou hoje ter provas do envolvimento da Rússia no tráfico de petróleo do grupo extremista Estado Islâmico, Daesh, na Síria.

Erdogan considerou imorais as declarações feitas pela Rússia, que acusou diretamente o Presidente turco e a sua família de lucrarem com o contrabando do petróleo roubado pelo Daesh na Síria

Erdogan considerou imorais as declarações feitas pela Rússia, que acusou diretamente o Presidente turco e a sua família de lucrarem com o contrabando do petróleo roubado pelo Daesh na Síria

© Christian Hartmann / Reuters

"Temos provas. Vamos começar a revelá-las ao mundo", disse o governante durante uma intervenção diante de sindicalistas na capital turca, Ancara.

O líder mencionou o nome de um empresário sírio, George Haswani, "titular de um passaporte russo", que beneficia, segundo Erdogan, das vendas do crude extraído pelos jihadistas dos poços que controlam na Síria e no Iraque.

A par de sanções impostas pela União Europeia (UE), o empresário George Haswani foi visado recentemente por sanções financeiras dos Estados Unidos.

O empresário sírio é acusado por Bruxelas e Washington de comprar petróleo ao EI em nome do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

Na mesma intervenção, Erdogan considerou imorais as declarações feitas pela Rússia, que acusou diretamente o Presidente turco e a sua família de lucrarem com o contrabando do petróleo roubado pelo EI na Síria.

"A Rússia é obrigada a provar essas alegações (...) aquelas que implicam a minha família são de natureza imoral", reforçou o governante.

Acrescentou que "a Rússia tem de provar que a república turca compra petróleo do Daesh [acrónimo árabe do grupo Estado Islâmico]", caso contrário, trata-se de uma calúnia.

O vice-ministro russo da Defesa, Anatoli Antonov, afirmou na quarta-feira, em declarações à comunicação social, que "a classe política dirigente [turca], incluindo o Presidente Erdogan e a sua família, está implicada no comércio ilegal" de petróleo com os jihadistas.

Anatoli Antonov referiu-se em particular ao genro de Erdogan, Berat Albayrak, de 37 anos, recentemente nomeado ministro da Energia e que durante muitos anos dirigiu o grupo Calik Holding (especializado em energia), e a um dos filhos do Presidente, Bilal, líder de um grupo especializado em obras públicas e transporte marítimo.

A Turquia e a Rússia estão envolvidas numa guerra de palavras desde o abate de um avião militar russo pelas forças aéreas turcas na fronteira síria, no passado dia 24 de novembro.

Apesar do clima de tensão, os ministros dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, e turco, Mevlut Cavusoglu, devem encontrar-se hoje em Belgrado (Sérvia), à margem de uma reunião ministerial da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Será o seu primeiro encontro desde o início da crise.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19