sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

ONU anuncia descoberta de 16 valas comuns em Sinjar, norte do Iraque

A ONU anunciou hoje a descoberta de 16 valas comuns em Sinjar (norte do Iraque), recentemente retomada pelas forças curdas ao Daesh (grupo Estado Islâmico), e denunciou "violência sistemática" contra os sunitas suspeitos de terem apoiado o Daesh.

Elemento da minoria yazidi que lutou ao lado dos curdos para libertar Sinjar das mãos do Daesh.

Elemento da minoria yazidi que lutou ao lado dos curdos para libertar Sinjar das mãos do Daesh.

© Azad Lashkari / Reuters

"Recebemos informações que se referem a 16 valas comuns contendo os corpos de pessoas assassinadas pelo Daesh", declarou Cécile Pouilly, porta-voz do Alto comissariado da ONU para os direitos humanos durante uma conferência de imprensa em Genebra.

As Nações Unidas não dispõem no entanto de informações sobre a localização dessas valas, nem sobre o número de corpos que contêm.

O Daesh assumiu o controlo de Sinjar em agosto de 2014 e perpetrou uma série de massacres, sequestros e violações contra a minoria yazidi (um grupo etno-religioso que segue uma antiga religião sincrética), mas que constituía a maioria da população desta localidade.

A ONU considerou este ataque como uma "tentativa de genocídio".

Pouilly também manifestou preocupação pelas "informações sobre um aumento dos abusos e violações dos direitos humanos cometidos contra as comunidades árabes sunitas nas regiões do Iraque que o Daesh controlou", e que de seguida foram retomadas por outras forças.

Estas informações indicam que membros das forças de segurança iraquianas e curdas, e milícias aliadas, cometeram diversas violações dos direitos humanos sobre as populações sunitas locais: pilhagens, destruição de bens, expulsões forçadas, sequestros, detenções ilegais, execuções extrajudiciais.

Segundo a ONU, outras comunidades religiosas também desencadearam uma vaga de perseguições sobre os sunitas.

"Esta situação prolonga-se há meses, à medida que os territórios são libertados", sublinhou a porta-voz, que se referiu a "ataques em larga escala" contra os sunitas iraquianos.

As forças curdas iraquianas, apoiadas pelos bombardeamentos aéreos da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, desencadearam diversas ofensivas no norte iraquiano, e em meados de novembro forçaram a retirada do Daesh de Sinjar.

A porta-voz da ONU pediu ainda ao governo iraquiano para promover uma investigação sobre "todas as violações e atentados aos direitos humanos, incluindo as cometidas contra as comunidades árabes sunitas".

Lusa

  • Da Al-Qaeda do Iraque ao Daesh

    Daesh

    Daesh é a mais recente denominação de um grupo radical islâmico (sunita) que pretende instituir um califado – um Estado dirigido por um único poder político e religioso regulamentado pela lei islâmica, a Sharia. Ainda limitado ao território conquistado à Síria e ao norte e oeste do Iraque, promete expandir-se e “quebrar as fronteiras” da Jordânia e do Líbano e “libertar” a Palestina. É liderado por Ibrahim Awad Ibrahim Ali al-Badri al-Samarrai, conhecido como Abu Bakr al-Baghdadi, desde 2010, altura em que se chamava Al-Qaeda do Iraque e depois Estado Islâmico do Iraque. Em abril de 2013 o nome do grupo foi alterado para Daesh - Estado Islâmico do Iraque e Levante (ISIL em português, ISIS em inglês), quando agrupou a Al-Qaeda do Iraque e um ramo dissidente do grupo sírio Frente al-Nusra, constituído para combater o Presidente sírio Bashar al-Assad. A designação Estado Islâmico é anunciada em Junho de 2014 com a instituição do autodenominado califado e al-Baghdadi é proclamado califa Ibrahim.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21