sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh faz propaganda em chinês

O grupo terrorista Daesh (autodenominado Estado Islâmico) divulgou o que aparenta ser o primeiro elemento de propaganda em chinês - uma canção em mandarim.

O departamento para as línguas estrangeiras do grupo terrorista - Al-Hayat Media Center - publicou online uma canção semelhante à que já divulgou noutras línguas e que apela aos muçulmanos para pegarem nas armas.

De acordo com SITE Intelligence Group, uma equipa que monitoriza ameaças de grupos radicais online, a canção começou a ser distribuída no domingo através do Twitter e da aplicação de mensagens Telegram.

Cidadãos chineses que debatem online a canção afirmam que quem a canta tem um sotaque do continente.

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hua Chunying, disse em conferência de imprensa segunda-feira que desconhecia a canção. "Esperamos conseguir garantir a segurança de todos os cidadãos de todos os países através da cooperação internacional", citou o Wall Street Journal.

Ao escolher o mandarim - depois de uigur (minoria muçulmana na China), japonês, bahasa da Indonésia e bahasa da Malásia - o grupo terrorista está a tentar lançar uma base mais ampla na China, diz o SITE Intelligence Group. As estimativas apontam para 23 milhões de muçulmanos na China, a maioria a residir na região Xinjiang, onde habita a maior parte da comunidade uigur.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.