sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh faz propaganda em chinês

O grupo terrorista Daesh (autodenominado Estado Islâmico) divulgou o que aparenta ser o primeiro elemento de propaganda em chinês - uma canção em mandarim.

O departamento para as línguas estrangeiras do grupo terrorista - Al-Hayat Media Center - publicou online uma canção semelhante à que já divulgou noutras línguas e que apela aos muçulmanos para pegarem nas armas.

De acordo com SITE Intelligence Group, uma equipa que monitoriza ameaças de grupos radicais online, a canção começou a ser distribuída no domingo através do Twitter e da aplicação de mensagens Telegram.

Cidadãos chineses que debatem online a canção afirmam que quem a canta tem um sotaque do continente.

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hua Chunying, disse em conferência de imprensa segunda-feira que desconhecia a canção. "Esperamos conseguir garantir a segurança de todos os cidadãos de todos os países através da cooperação internacional", citou o Wall Street Journal.

Ao escolher o mandarim - depois de uigur (minoria muçulmana na China), japonês, bahasa da Indonésia e bahasa da Malásia - o grupo terrorista está a tentar lançar uma base mais ampla na China, diz o SITE Intelligence Group. As estimativas apontam para 23 milhões de muçulmanos na China, a maioria a residir na região Xinjiang, onde habita a maior parte da comunidade uigur.

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.