sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Obama reforça intenção de destruir Daesh

O presidente norte-americano, Barack Obama, expressou hoje uma determinação renovada em destruir o grupo extremista Daesh, prometendo reconquistar território no Médio Oriente e eliminar os líderes daquela organização 'jihadista'.

Evan Vucci

Evan Vucci

"Estamos a atingi-los mais intensamente do que nunca", disse Obama, intervindo depois de o ataque em San Bernardino, aparentemente influenciado pelo Daesh, ter levantado dúvidas sobre a sua estratégia de combate ao grupo extremista.

Oito dias após um discurso solene no Salão Oval, Obama anunciou que o secretário de Defesa, Ashton Carter, vai deslocar-se ao Médio Oriente, para "trabalhar com parceiros da coligação e obter mais contribuições militares".

Recordando a luta dos EUA e países aliados no Iraque e na Síria, o chefe de Estado norte-americano, que falava no Pentágono depois de uma reunião com os líderes militares americanos, acrescentou que, "à medida que o coração do Estado Islâmico for sendo apertado", vai-se tornando mais difícil para a organização "difundir propaganda para o resto do mundo".

Dizendo que os 'jihadistas' usam "homens, mulheres e crianças indefesas como escudos humanos", Obama considerou que "esta continua a ser uma luta dura", mas assinalou que o Daesh "perdeu vários milhares de quilómetros quadrados de territórios que controlava na Síria".

"Em muitos lugares, [os membros do Daesh] perderam liberdade de manobra, pois sabem que, se se unem, são eliminados", sublinhou, acrescentando que, desde o verão, a organização extremista "não concretizou nenhuma grande operação, nem no Iraque, nem na Síria".

Dando o exemplo de diversos líderes do Daesh mortos em operações da coligação, Obama emitiu ainda um aviso severo.

"Os líderes do ISIS [sigla inglesa para Daesh do Iraque e do Levante] não se podem esconder", afirmou Obama, adiantando que a mensagem que lhes dirige é simples: "Vocês são os próximos".

Já antes do atentado cometido por um casal muçulmano na Califórnia ter matado 14 pessoas, as sondagens mostravam que mais de 60% dos americanos desaprovavam a forma como Obama tem lidado com a ameaça terrorista no geral e com o Daesh em particular.

Obama não deu mostras de mudar de tática entretanto, mas admitiu: "Reconhecemos que os progressos têm de ser mais rápidos".

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.