sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Homem acusado de planear ataque contra circuito de F1 de Abu Dhabi

Um cidadão dos Emirados Árabes Unidos, cuja mulher foi executada pela morte de um norte-americano, foi acusado de ligações ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) e de planear um atentado contra o circuito de Fórmula 1 de Abu Dhabi.

© Thaier Al-Sudani / Reuters

Os media internacionais não foram convidados a assistir à audiência de segunda-feira no Tribunal de Segurança do Estado, onde o acusado, identificado apenas pelas iniciais M. A. H., ouviu a acusação que pesa contra si, referem os jornais dos Emirados Árabes Unidos.

No total, o suspeito responde por sete acusações, incluindo intenção de colocar bombas no circuito, numa loja Ikea na ilha de Yas, e em autocarros de turistas estrangeiros em Abu Dhabi, e de ter planeado ataques contra um base militar norte-americano no país e contra altos responsáveis da federação.

Segundo o Gulf News, que cita os procuradores, o homem tentou juntar-se aos jihadistas do EI no Iraque "mas, como não conseguiu deslocar-se, escolheu trabalhar nos Emirados em apoio à organização terrorista".

O homem rejeitou todas as acusações apresentadas contra e si e queixou-se de ter sido colocado em isolamento durante seis meses após a sua detenção, a 21 de novembro de 2014, indicou o jornal The National.

A sua mulher, Alaa al-Hashemi, de 30 anos, foi executada, a 13 de julho, depois de ter sido condenada à pena capital por ter matado uma professora norte-americana, a 01 de dezembro de 2014, na casa de banho de um centro comercial de Abu Dhabi.

Os Emirados Árabes Unidos, cuja população local não representa mais do que 10% dos habitantes, estão envolvidos, desde setembro de 2014, na coligação internacional que ataca o EI na Síria.

Os ataques imputados aos 'jihadistas' ou a pessoas que se inspiram em grupos extremistas são raríssimos naquela rica monarquia do Golfo que tem uma política de "tolerância zero".

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.