sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Rússia desmente ter bombardeado civis após acusação de atingir escola em Aleppo

A Rússia desmentiu hoje ter bombardeado civis na Síria, após acusações de ataques aéreos contra uma escola na província de Alepo e do apelo de Paris para o fim dos ataques aéreos russos e sírios contra civis.

Escombros após ataque atribuído à força aérea russa em Douma, síria.

Escombros após ataque atribuído à força aérea russa em Douma, síria.

© Bassam Khabieh / Reuters

"A Rússia não realiza operações contra os civis", declarou à agência France Presse a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, reagindo ao apelo do ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius, para que acabem os bombardeamentos russos contra a população civil.

Desde o início do ano, a aviação russa atingiu 1.097 alvos "terroristas" nas províncias de Alepo (noroeste), Idleb (noroeste), Latakia (noroeste), Hama (centro), Homs (centro), Deraa (sudoeste), Deir Ezzor (leste), Raqa (norte) e na região da capital, Damasco, segundo o estado-maior russo.

Os ataques visaram nomeadamente locais de infraestruturas do grupo radical Estado Islâmico, os seus veículos blindados, assim como refinarias de petróleo clandestinas, "infligindo perdas consideráveis aos grupos terroristas", declarou hoje o general Serguei Rudskoi, citado pelas agências russas.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) afirmou que oito alunos e o seu professor foram mortos hoje e 20 alunos e professores ficaram feridos num ataque da aviação russa contra uma escola situada na localidade rebelde de Anjara, na província de Alepo.

A Rússia iniciou no final de setembro a sua missão na Síria de apoio às tropas do regime face aos rebeldes e aos 'jihadistas'. No final de dezembro, o OSDH afirmou que os ataques aéreos russos tinham causado em três meses 2.371 mortos, um terço dos quais eram civis.

O Ministério da Defesa russo classificou em diversas ocasiões as acusações de infundadas e absurdas.

Lusa

  • CGTP espera milhares na 1ª manifestação nacional do ano
    1:49

    País

    A CGTP-IN conta ter "dezenas de milhares de trabalhadores" de todo o país e setores de atividade na primeira manifestação nacional do ano, marcada para esta tarde, em Lisboa, em defesa da valorização do trabalho e dos trabalhadores.Estão previstas centenas de autocarros e quatro comboios especiais, um de Braga e três do Porto, para transportar os manifestantes para a capital.De Coimbra saíram 13 autocarros, com cerca de 700 trabalhadores, de setores diferentes para exigir ao governo reposição de direitos perdidos.

  • A semana em revista

    Mundo

    Com a semana a chegar ao fim, a SIC Notícias apresenta-lhe, num único artigo, os destaques que marcaram a atualidade nos últimos dias. Um espaço onde pode ficar a saber, ou simplesmente recordar, os temas que marcaram a semana noticiosa.

    André de Jesus

  • Registadas mais de 500 queimadas em 12 horas

    País

    A Proteção Civil registou esta sexta-feira, no distrito de Viana do Castelo, entre as 06:00 e as 18:00, 515 queimadas, mais cerca de uma centena das contabilizadas na quinta-feira, sendo que três terão dado origem a incêndios florestais.