sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Coligação liderada por EUA focada em destruir o dinheiro do Daesh

O esforço norte-americano para combater os 'jihadistas' do movimento extremista autoproclamado Daesh no Iraque e na Síria tem agora um novo foco: atacar "o dinheiro do Daesh".

Carolyn Kaster

O Daesh (uma expressão que é usada em árabe em referencia ao grupo), tem vindo a acumular milhões de dólares na moeda local e dólares em todo o Iraque e Síria, devido, em grande parte, à venda ilícita de petróleo.

O coronel Steve Warren, porta-voz da coligação liderada pelos Estados Unidos que combate o Daesh desde agosto de 2014, disse que nove ataques no Irão e na Síria nos últimos meses levaram a distribuição de "dezenas de milhões de dólares" do dinheiro do Daesh.

"Atacar estes locais de recolha de dinheiro atinge o inimigo", afirmou Steve Warren aos jornalistas, numa videoconferência, através de Bagdad.

"Eles trabalham com dinheiro, não há crédito no Daesh", acrescentou, lembrando que o grupo extremista ocupou grandes regiões na Síria e no Iraque em 2014 e 2015.

As forças armadas norte-americanas divulgaram vídeos de ataques aéreos do que dizem ser caixas de recolha de dinheiro. No vídeo de um ataque em Mossul no início deste mês, podem ser vistos vestígios de dinheiro a flutuar no ar.

A coligação atacou outra 'caixa' em Mossul na segunda-feira, acrescentou o porta-voz.

As provas da coligação mostram que este foco no financiamento do Daesh, combinado com a continuação dos ataques aos camiões que transportam o petróleo, está a fragilizar os 'jihadistas'. Segundo a imprensa, os líderes do movimento extremista tiveram de reduzir o vencimento dos combatentes em 50%.

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.