sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Perto de 22 mil combatentes do Daesh abatidos desde 2014

Perto de 22 mil combatentes do grupo extremista Estado Islâmico foram mortos pela coligação liderada pelos Estados Unidos desde o verão de 2014, disse hoje o ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Stringer . / Reuters

"Há um número dado pela coligação. Isto é, 22 mil mortes desde o início das operações" no Iraque e na Síria, afirmou o ministro em declarações ao canal de notícias France24.

Dos 22 mil combatentes, cerca de mil foram mortos em ataques do exército francês, que realizou entre cinco e 15% dos ataques da coligação.

O ministro da Defesa francês afirmou também que o número de combatentes do grupo extremistas ronda os 35.000, incluindo pelo menos 12.000 estrangeiros.

"O Estado Islâmico está numa situação de fragilidade, mas temos de ter cuidado", disse o ministro, acrescentando que os combatentes misturam-se com as populações civis para se protegerem.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.