sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Europol alerta que Daesh tem "nova capacidade de combate" e planeia ataques na Europa

O grupo extremista Daesh (autoproclamado Estado Islâmico) desenvolveu a capacidade de lançar ataques globais e está especialmente centrado na Europa, afirmou hoje o diretor da agência de polícia europeia, Europol, Rob Wainwright.

© Stringer . / Reuters

"O chamado Estado Islâmico desenvolveu uma nova capacidade de combate para lançar uma campanha de ataques terroristas em grande escala a nível global, com especial foco na Europa", disse Wainwright, citado pela agência France Presse.

"O chamado Estado Islâmico tem a vontade e a capacidade para lançar mais ataques na Europa e, naturalmente, as autoridades nacionais estão a trabalhar para impedir que isso aconteça", acrescentou.

Wainwright apresentava à imprensa as conclusões de um novo relatório da Europol sobre mudanças na forma de funcionamento do grupo 'jihadista', que coincide com a abertura do novo centro antiterrorista da agência em Haia.

O Estado Islâmico reivindicou os atentados de 13 de novembro em Paris, que fizeram 130 mortos, divulgando no domingo um vídeo em que aparecem os alegados nove autores dos ataques e em que ameaça os "países da coligação" que combate as forças do grupo no Iraque e na Síria desde setembro de 2014.

"O Estado Islâmico está a preparar mais ataques terroristas em Estados membros da União Europeia e em particular em França", segundo as conclusões do relatório da Europol.

"Os ataques serão principalmente dirigidos a alvos fáceis, pelo impacto que geram. Tanto os ataques de novembro em Paris como o abate em outubro de um avião russo sugerem uma mudança na estratégia do Estado Islâmico no sentido global".

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".