sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh reivindica atentado na Síria que fez pelo menos 70 mortos

O Daesh reivindicou hoje a responsabilidade pelos atentados próximos da mesquita xiita de Sayyida Zeinab, a sul de Damasco, que causou a morte a pelo menos 70 pessoas e ferimentos em mais de 110.

Esta não é a primeira vez que a mesquita Sayyida Zeinab é escolhida para atentados, há um ano já tinha sido alvo de ataque.

Esta não é a primeira vez que a mesquita Sayyida Zeinab é escolhida para atentados, há um ano já tinha sido alvo de ataque.

© Handout . / Reuters (Arquivo)

Numa declaração posta a circular na comunicação social, o grupo jihadista referiu que dois dos seus membros fizeram detonar os coletes com explosivos e ainda um carro armadilhado próximo da mesquita.

A televisão estatal síria, que também noticiou duas explosões, descreveu-as como atos "terroristas".

A mesquita Sayyida Zeinab - que contém o túmulo de uma neta do profeta Maomé e é particularmente venerada como local de peregrinação pelos muçulmanos xiitas - já foi alvo de outros ataques, incluindo um em fevereiro de 2015, quando dois atentados suicidas mataram quatro pessoas e feriram 13 num posto de controlo perto do santuário.

No mesmo mês, uma explosão num autocarro que transportava peregrinos xiitas libaneses com destino a Sayyida Zeinab matou pelo menos nove pessoas, tendo o atentado sido reivindicado pela Frente Al-Nosra, afiliada da Al-Qaeda.

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.