sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh reivindica atentado na Síria que fez pelo menos 70 mortos

O Daesh reivindicou hoje a responsabilidade pelos atentados próximos da mesquita xiita de Sayyida Zeinab, a sul de Damasco, que causou a morte a pelo menos 70 pessoas e ferimentos em mais de 110.

Esta não é a primeira vez que a mesquita Sayyida Zeinab é escolhida para atentados, há um ano já tinha sido alvo de ataque.

Esta não é a primeira vez que a mesquita Sayyida Zeinab é escolhida para atentados, há um ano já tinha sido alvo de ataque.

© Handout . / Reuters (Arquivo)

Numa declaração posta a circular na comunicação social, o grupo jihadista referiu que dois dos seus membros fizeram detonar os coletes com explosivos e ainda um carro armadilhado próximo da mesquita.

A televisão estatal síria, que também noticiou duas explosões, descreveu-as como atos "terroristas".

A mesquita Sayyida Zeinab - que contém o túmulo de uma neta do profeta Maomé e é particularmente venerada como local de peregrinação pelos muçulmanos xiitas - já foi alvo de outros ataques, incluindo um em fevereiro de 2015, quando dois atentados suicidas mataram quatro pessoas e feriram 13 num posto de controlo perto do santuário.

No mesmo mês, uma explosão num autocarro que transportava peregrinos xiitas libaneses com destino a Sayyida Zeinab matou pelo menos nove pessoas, tendo o atentado sido reivindicado pela Frente Al-Nosra, afiliada da Al-Qaeda.

  • Bruno de Carvalho garante empenho do Sporting
    0:52

    New Articles

    Bruno de Carvalho diz que o Sporting continua empenhado apesar do momento que o clube atravessa. O presidente leonino discursou ao início da tarde no núcleo Leões da Madeira, no Funchal, onde o Sporting joga hoje com o Marítimo.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.