sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Coligação contra o Daesh reúne-se em Roma

A coligação contra o grupo 'jihadista' Estado Islâmico liderada pelos Estados Unidos vai reunir-se hoje em Roma, com a participação do secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Stringer . / Reuters

"Os parceiros da coligação vão examinar os progressos alcançados até à data e debater formas de intensificar compromissos em todas as linhas de esforço, com vista a derrotar este grupo terrorista", informou o Departamento de Estado.

A coligação de várias potências, principalmente ocidentais e árabes, tem vindo a treinar e armar o governo iraquiano e as forças rebeldes sírias para combater a organização extremista, enquanto leva a cabo ataques aéreos.

Segundo o Departamento de Estado dos EUA, os membros da coligação representados incluem: Austrália, Bahrein, Bélgica, Grã-Bretanha, Canadá, Dinamarca, Egipto, União Europeia, França, Alemanha, Iraque, Itália, Jordânia, Koweit, Nova Zelândia, Países Baixos, Noruega, Qatar, Arábia Saudita, Espanha, Suécia, Turquia e Emirados Árabes Unidos.

Por seu lado, as Nações Unidas vão enviar observadores.

As autoridades estão também a considerar uma possível intervenção contra o grupo 'jihadista' na Líbia, sendo que, após a reunião em Roma, Kerry ruma a Londres, para uma conferência de países doadores com vista a ajudar à reconstrução daquele país.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.