sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Coligação contra o Daesh reúne-se em Roma

A coligação contra o grupo 'jihadista' Estado Islâmico liderada pelos Estados Unidos vai reunir-se hoje em Roma, com a participação do secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Stringer . / Reuters

"Os parceiros da coligação vão examinar os progressos alcançados até à data e debater formas de intensificar compromissos em todas as linhas de esforço, com vista a derrotar este grupo terrorista", informou o Departamento de Estado.

A coligação de várias potências, principalmente ocidentais e árabes, tem vindo a treinar e armar o governo iraquiano e as forças rebeldes sírias para combater a organização extremista, enquanto leva a cabo ataques aéreos.

Segundo o Departamento de Estado dos EUA, os membros da coligação representados incluem: Austrália, Bahrein, Bélgica, Grã-Bretanha, Canadá, Dinamarca, Egipto, União Europeia, França, Alemanha, Iraque, Itália, Jordânia, Koweit, Nova Zelândia, Países Baixos, Noruega, Qatar, Arábia Saudita, Espanha, Suécia, Turquia e Emirados Árabes Unidos.

Por seu lado, as Nações Unidas vão enviar observadores.

As autoridades estão também a considerar uma possível intervenção contra o grupo 'jihadista' na Líbia, sendo que, após a reunião em Roma, Kerry ruma a Londres, para uma conferência de países doadores com vista a ajudar à reconstrução daquele país.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.