sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Confrontos entre milicianos e apoiantes de governo de Tripoli fazem 7 mortos

Confrontos ocorridos entre alegados milicianos do autoproclamado Estado Islâmico e fiéis ao governo líbio instalado em Tripoli, na cidade de Sabratah, a cem quilómetros da capital, causaram seis mortos entre os primeiros.

© Ismail Zetouni / Reuters

Fontes oficiais adiantaram à Efe que também morreu um miliciano pró governamental, além de outros que ficaram feridos.

Há também a registar a morte de uma mãe e dois filhos, com a mulher a imolar-se depois de conhecer o estado dos filhos.

A região de Sabratah, a escassos 150 quilómetros da fronteira com a Tunísia, é palco de combates desde que há duas semanas aviões de combate dos EUA mataram 150 pessoas, na sua maioria tunisinos, num bombardeamento de alegados alvos do ramo líbio daquele grupo.

O Pentágono explicou o ataque com o objetivo de matar Nourdine Chouchane, um conhecido dirigente extremista tunisino, que é acusado de instigar dois dos três atentados ocorridos em Tunes em 2015 e lutar nas fileiras do grupo na Síria e no Iraque.

Pouco depois, tropas do governo de Tripoli prosseguiram com a operação por terra contra a citada célula em Sabratah, o que colocou as forças tunisinas em estado de alerta, por receio de que os milicianos do grupo fugissem para a Tunísia.

As zonas desérticas do sul da Tunísia, que se entendem entre a Líbia e a Argélia, tornaram-se nos últimos anos um local de encontro e passagem de centenas de milicianos e candidatos a milicianos, procedentes de todos os pontos do Sahel e do norte de África, que pretendem juntar-se à luta armada na Líbia.

Este país é um Estado falhado, mergulhado no caos e na guerra civil, desde que em 2011 a NATO contribui militarmente para a vitória dos rebeldes sobre o agora extinto regime Muammar Kadhafi.

Nos últimos anos, milícias radicais têm aproveitado o conflito político entre os governos rivais de Tripoli e Tobruk para se instalarem em diversas partes da Líbia, instalar um bastião no porto mediterrânico de Sirte e estender a instabilidade ao resto do Norte de África, designadamente à Tunísia.

Lusa

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC