sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Israel fecha canal de televisão palestiniano por suspeita de ligação ao Daesh

Os organismos israelitas de segurança fecharam o canal de televisão palestiniano Falestin Al Yom, que emite na Cisjordânia através de várias plataformas, e detiveram um dos seus diretores por suspeitas de instigar à violência.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Reuters TV / Reuters

"Falastin Al Yom (Palestina hoje) age em nome da jihad islâmica", afirmou a polícia em comunicado citando as forças dos serviços secretos, o exército e autoridades policiais, que na quinta-feira à noite invadiram os escritórios do canal, em Ramallah.

De acordo com o relatório da polícia, "o canal serve a 'jihad' islâmica como uma ferramenta para o incitamento à violência entre a população da Judeia e Samaria (Cisjordânia), exortando à realização de ataques contra o estado de Israel e seus cidadãos".

A mesma fonte adiantou que o Falestin Al Yom divulgou informações através da televisão, internet e redes sociais.

Um de seus diretores, Omar Faruk Kasam Alat, de 34 anos, e um residente de Bir Zet, foram presos durante a operação israelita, de acordo com a declaração oficial.

Muhamad Amro, um dos executivos do canal, confirmou hoje o ataque e disse à agência Efe que os agentes confiscaram todos os equipamentos eletrónicos e deram-lhes uma ordem de encerramento por tempo indeterminado.

Em comunicado, o secretário-geral da OLP [Organização para a Libertação da Palestina], Saeb Erekat, condenou o ataque e instou a comunidade internacional a "agir contra Israel para parar a violência contra os palestinianos e as suas instituições."

Também o sindicato de jornalistas palestinianos criticou o encerramento do canal na quinta-feira à noite.

A decisão de encerrar o canal foi tomada na quinta-feira à noite pelo gabinete de segurança de Israel, por considerar que o país deve agir contra os meios de comunicação palestinianos que sejam considerados uma plataforma para a incitação à violência.

Entre terça-feira e quarta-feira vários ataques em Jerusalém, Telavive e Petah Tikva causaram um morto e dez feridos.

Lusa

  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.