sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

John Kerry diz que foram mortos 600 combatentes do Daesh em três semanas

O Daesh, alvo dos bombardeamentos da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, perdeu 600 combatentes nas últimas três semanas na Síria, afirmou hoje o secretário de Estado norte-americano John Kerry.

reuters

"Na Síria, o Estado Islâmico perdeu 3.000 quilómetros quadrados e 600 combatentes nas últimas três semanas", declarou John Kerry, realçando que "a pressão [contra o grupo] vai ser intensificada".

No final de uma reunião sobre a Síria com os homólogos franceses, alemães, britânicos e italianos, em Paris, John Kerry alertou o regime do presidente Bashar al-Assad e os seus aliados, incluindo a Rússia, para não caírem na tentação de explorar o "frágil cessar-fogo".

"Se o regime e os seus apoiantes pensam que podem testar os limites sem consequências para o progresso que fizemos, estão enganados", declarou o chefe da diplomacia dos Estados Unidos.

Após a formação da coligação internacional para lutar contra o Daesh, o grupo perdeu 40% da área que controlava no Iraque e 20% na Síria, referiu.

Os Estados Unidos e a Rússia negociaram um cessar-fogo na Síria entre o regime e os rebeldes, em vigor desde 27 de fevereiro. Apesar de alguns incidentes, está a ser respeitado na generalidade, permitindo o envio de ajuda às populações cercadas e a convocação de novas negociações em Genebra, com o patrocínio das Nações Unidas.

Com Lusa

  • John Kerry está em Paris para preparar conversações de paz na Síria

    Mundo

    O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, está em Paris a preparar as conversações de paz na Síria que vão decorrer em Genebra, na próxima semana. Kerry vai reunir com os ministros dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Alemanha, Itália e França. As conversações vão começar na próxima segunda-feira e são as primeiras desde o acordo de cessar-fogo na Síria. O governo sírio foi convidado pela ONU a participar no encontro.

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.