sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Pentágono confirma morte de líder do Daesh, "Omar, o checheno"

O Pentágono confirmou hoje que um dos líderes do Daesh , "Omar, o checheno", foi morto a 4 de março durante um bombardeamento da coligação internacional.

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

Uma perspetiva aérea sobre o Pentágono. (Arquivo)

© Jason Reed / Reuters

"Acreditamos que morreu em consequência dos ferimentos", disse o porta-voz do Pentágono, capitão Jeff Davis.

O Observatório dos Direitos Humanos sírio, uma organização não-governamental com uma rede de fontes na Síria, anunciou no domingo que o líder estava "clinicamente morto" com suporte artificial de vida num hospital da província de Raqa, bastião do grupo no norte da Síria.

É sempre difícil para a coligação confirmar a morte dos líderes do grupo extremista alvos de ataques aéreos por falta de canais fiáveis no terreno.

Conhecido pela barba vermelha, "Omar, o checheno" tinha como verdadeiro nome Tarkhan Tayumurazovich Batirashvili.

Era conhecido pela sua crueldade e foi uma dos principais especialistas militares do grupo extremista.

Os Estados Unidos tinham oferecido cinco milhões de dólares por informações sobre o seu paradeiro.

Lusa

  • Israel está a formar unidade para combater Daesh
    5:14

    Mundo

    Na semana em que o Daesh viu serem roubadas milhares de fichas dos seus seguidores, o correspondente da SIC no Médio Oriente revela mais uma arma contra os terroristas. Israel tem vindo a formar a chamada unidade Karakal, para defender as fronteiras do país de ataques e até de uma eventual invasão do Daesh. Henrique Cymerman acompanhou os treinos militares desta unidade, onde lutam homens e mulheres.

  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52