sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh pede aos civis que saiam de Palmira perante ataque sírio

O Daesh apelou hoje aos cerca de 15 mil civis ainda no interior de Palmira que abandonem a cidade porque as forças pró-sírias estão a apertar o cerco, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Residentes nas ruas da cidade de Palmira, na Síria, há 3 dias.

Residentes nas ruas da cidade de Palmira, na Síria, há 3 dias.

© Stringer . / Reuters

"O Daesh disse aos altifalantes para os civis ainda em Palmira saírem porque os combates chegaram à periferia da cidade", afirmou o Observatório.

As tropas sírias e as milícias que as apoiam estão a preparar o assalto final à cidade, que o Daesh controla desde maio do ano passado, e na quarta-feira já se encontrava a dois quilómetros.

Trata-se do culminar de uma ofensiva que o exército lançou no início do mês, com o apoio de intensos raides aéreos russos.

Apesar dos excessos dos radicais islâmicos do Daesh, que incluíram decapitações públicas no antigo anfiteatro da cidade, cerca de 15 mil dos 70 mil habitantes ficaram na cidade sob o controlo do grupo terrorista, disse o diretor do Observatório, Rami Abdel Rahman.

"A grande maioria já tinha fugido. Só ficaram para trás aqueles que são demasiado pobres para fugirem", explicou.

As tropas governamentais e as milícias aliadas estavam a avançar devagar, porque o Daesh tinha colocado explosivos nos campos que rodeiam a cidade, afirmou ainda Abdel Rahman.

Mas os combates aceleraram hoje de manhã junto ao bairro de Hayy al-Gharf, no sudoeste da cidade.

As forças governamentais estavam a ser apoiadas por ataques aéreos sírios e russos contra as posições do Daesh.

A queda de Palmira provocou ondas de choque em todo o mundo, quando o Daesh lançou uma campanha sistemática de destruição dos monumentos classificados pela UNESCO como património mundial, fazendo explodir templos e pilhando relíquias que datam de há 2.000 anos.

A sua recaptura será vista como uma vitória estratégica, mas também simbólica, do presidente sírio, Bashar al-Assad, já que quem controla a cidade também controla o vasto deserto que se estende do centro da Síria até à fronteira com o Iraque, afirmam analistas.

Entretanto, o ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian, congratulou-se hoje por as tropas russas estarem a atacar "agora sistematicamente" o Daesh na Síria, e já não a oposição moderada apoiada pelos ocidentais.

"Eles reduziram a sua presença de forma significativa e sobretudo atacam agora sistematicamente o Daesh", disse Jean-Yves Le Drian na rádio francesa Europe 1.

"É uma boa notícia. É o que desejávamos há muito tempo".

O ocidente acusava há muito a aviação russa de se concentrar na oposição dita moderada, para reforçar o regime de damasco, em vez de se focar nas zonas controladas pelo Daesh.

Mas desde 27 de fevereiro, o cessar-fogo patrocinado por Washington e por Moscovo, entre o exército sírio apoiado pela força aérea russa e os grupos rebeldes moderados - tem sido globalmente respeitado.

Lusa

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Martin Schulz ataca Merkel a três meses das legislativas

    Mundo

    O social-democrata alemão Martin Schulz passou este domingo à ofensiva, a três meses das eleições legislativas, ao acusar Angela Merkel de "arrogância" e de sabotar a "democracia", quando as sondagens apontam para uma larga vantagem da chanceler da Alemanha.

  • Martha, a cadela mais feia do mundo
    0:42

    Mundo

    A cadela Martha, de raça mastim napolitano ficou em primeiro lugar na edição anual do concurso que elege os cães mais feios do mundo. A cadela tem três anos, pesa 57 quilos e foi resgatada pela dona quando estava praticamente cega. Acabou por recuperar a visão depois de várias operações. Martha e a dona receberam um prémio de 1.500 dólares e uma viagem a Nova Iorque para marcarem presença em programas de televisão.