sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Maioria dos combatentes europeus na Síria e Iraque são de quatro países

Cerca de 4.000 europeus viajaram para a Síria e Iraque para se juntarem a grupos extremistas, a maioria dos quais são de apenas quatro países da União Europeia (UE), segundo um estudo divulgado hoje.

Alexander Kots / AP

Dos 3.922 a 4.294 combatentes estrangeiros que se calcula serem de Estados membros da UE, 2.838 vieram da Bélgica, Reino Unido, França e Alemanha, informou o Centro Internacional de Contraterrorismo em Haia.

Utilizando dados fornecidos por 26 dos países do bloco europeu, o centro de reflexão independente determinou que cerca de 30% já regressaram a casa e que à volta de 14% foram mortos em combate.

O centro descobriu ainda que não existe "um perfil claro" de combatente estrangeiro. Cerca de 17% do grupo eram mulheres e até 23% eram convertidos ao islamismo.

Mais de 90% vieram de grandes áreas metropolitanas, bastantes dos mesmos bairros sugerindo que o "processo de radicalização" é curto e "frequentemente envolve círculos de amigos que se radicalizam como grupo e decidem partir em conjunto para a Síria e Iraque".

O relatório -- realizado antes dos atentados de 22 de março em Bruxelas -- reitera que a Bélgica conta com o maior número de combatentes estrangeiros 'per capita' da União Europeia.

Entre setembro de 2014 e setembro de 2015 existiriam cerca de 30.000 combatentes estrangeiros de 104 países no Iraque e na Síria.

"Especialistas e responsáveis da administração têm vindo cada vez mais a alertar para o potencial de ameaça à segurança que tal pode colocar à Europa e não só", refere o relatório.

Segundo o Centro Internacional de Contraterrorismo, embora os países europeus tenham reforçado a segurança nacional e os controlos fronteiriços, apenas em nove tornar-se um combatente estrangeiro foi criminalizado.

Também são poucos os países que têm qualquer tipo de programa de reintegração para os que regressam das zonas de conflito.

Além disso, a mudança de padrão dos combatentes estrangeiros, incluindo a radicalização de mulheres e dos muito jovens, assim como dos com possíveis problemas mentais, ainda não se traduz em políticas orientadas.

O Centro Internacional de Contraterrorismo recomenda que a UE crie um sistema de informação interno, considerando existir "uma clara necessidade de um enquadramento efetivo (e centralizado) de monitorização e avaliação" para analisar o impacto das políticas existentes.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.