sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Guterres diz que o mundo não pode menosprezar o Daesh

O ex-primeiro-ministro português António Guterres defendeu hoje que o mundo não deve menosprezar o que o grupo extremista Estado Islâmico (EI) representa, defendendo que deve ser combatido militarmente, mas também "no plano dos valores e das políticas sociais".

António Guterres

António Guterres

© Denis Balibouse / Reuters

"É mais organizado do que parece", alertou, aludindo à "enorme capacidade de propaganda recrutamento" de seguidores na Europa daquela organização.

O antigo chefe do governo e ex-Alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que hoje foi homenageado no evento internacional Terra Justa, em Fafe, norte de Portugal, defendeu que o combate deve incidir no plano ideológico e dos valores e com políticas e coesão social.

A mensagem do EI, apesar de "completamente enganadora, é forte", aproveitando a "frustração de muitos jovens europeus", acrescentou.

António Guterres, que falava numa conversa de café, integrada no programa do evento "Terra Justa", perante algumas dezenas de pessoas, defendeu que nunca houve no mundo "uma tão grande interligação entre as guerras e uma ameaça global de terrorismo".

Sobre a questão dos refugiados na Europa, acusou os Estados de incapacidade para responder a uma matéria tão complexa, recordando que o problema já era expectável na primavera do ano passado, quando se diminuiu o apoio alimentar nos campos de refugiados, e que nada estava preparado para receber os refugiados.

"Tudo o que se organizou foi demasiadamente pouco e tardio", lamentou.

Afirmando ser defensor de um "programa maciço de reinstalação dos refugiados", Guterres aludiu à necessidade de a Europa ter uma maior capacidade "de os [refugiados] ir buscar organizadamente".

"Os emigrantes são pessoas com direitos. Temos de ter muito respeito e reconhecer que na Europa os emigrantes fazem falta", vincou António Guterres, que defendeu também a importância de se prestar apoio financeiro aos países que estão na linha da frente, na receção aos refugiados, nomeadamente à volta da Síria.

"Eles enfrentam uma pressão enorme sobre as suas economias, sociedade e segurança", observou.

Sobre o futuro, Guterres admitiu que o mundo "está perante uma tragédia, para a qual não se vislumbra uma solução aceitável".

Apesar disso, António Guterres disse preconizar que o mundo deve, além de tentar acabar com a guerra na Síria, combater as organizações que operam no tráfico humano, recordando que "são verdadeiras redes internacionais que têm um negócio fabuloso", o que obriga a um combate multinacional dos Estados.

Lamentou, a propósito, que os países invistam mais no combate ao tráfico de droga do que na luta contra o tráfico de seres humanos.

Sobre a sua candidatura a secretário-geral da Nações Unidas, reafirmou que o faz por sentir o dever de disponibilizar àquela organização as suas "capacidades e experiência" acumuladas no desempenho de vários cargos, em especial como Alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados.

"A preparação é fundamental, é a autenticidade", afirmou, dizendo aguardar agora se as pessoas na ONU vão ou não "reconhecer" o trabalho que desenvolveu ao longo da vida.

E terminou: "Encaro isto com uma grande tranquilidade. Quero pôr a render onde penso que posso ser mais útil".

À tarde, integrado no programa do "Terra Justa", o antigo primeiro-ministro vai deixar uma mensagem no "Mural das Causas", inaugurando depois uma exposição sobre o seu percurso de vida.

À noite é homenageado numa conferência com vários convidados.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15