sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Londres alerta para possíveis represálias do Daesh na Europa

O ministro da Defesa britânico, Michael Fallon, alertou hoje para possíveis represálias do Daesh no Reino Unido e no resto da Europa à medida que o grupo extremista "vai perdendo terreno" no Iraque e na Síria.

(Arquivo)

(Arquivo)

STR

Fallon, que esteve hoje na Câmara dos Comuns para informar os deputados sobre as operações do exército britânico na região, referiu que o Reino Unido participou em 43 bombardeamentos contra o Daesh na Síria desde que o parlamento aprovou a campanha em dezembro passado e em 760 ataques aéreos no Iraque desde setembro de 2014.

"À medida que o Daesh (acrónimo árabe de Estado Islâmico) se sente cada vez mais pressionado no Iraque e na Síria, poderemos ver contragolpes como parte do plano externo do Daesh contra objetivos europeus ou britânicos", disse Fallon.

O ministro afirmou que a contribuição do Reino Unido para a missão militar contra o Daesh é "maior que a de qualquer outra nação, com exceção dos Estados Unidos".

A Força Aérea britânica tem concentrado esforços nos últimos meses no ataque aos campos petrolíferos do leste da Síria, que os 'jihadistas' utilizam para financiar as suas operações. O exército britânico também tem como objetivos as "infraestruturas de comunicações, comando e controlo" do Daesh.

"Os bombardeamentos da coligação destruíram petróleo do Daesh avaliado em 800 milhões de dólares (720 milhões de euros)", disse Fallon, adiantando que cortar "a cabeça da serpente" em Raqqa e Mosul, bastiões do EI na Síria e no Iraque, respetivamente, exigiria um esforço militar muito grande por parte de "tropas locais no terreno".

"O Daesh está a perder terreno, inclusive na Síria, e já foi expulso de Al-Shaddadi, uma importante rota de abastecimento entre Mosul e Raqqa", sustentou Fallon.

Com Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão