sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Sete milhões de pessoas vivem em zonas controladas pelo Daesh

Sete milhões de pessoas vivem atualmente em regiões controladas pelo grupo extremista Daesh (autoproclamado Estado Islâmico) e na cidade iraquiana de Fallujah "não há forma de chegar a cerca de 55.000 civis", alertou hoje uma organização não-governamental norueguesa.

© Stringer . / Reuters

Jan Egeland, ex-secretário-geral adjunto da ONU e atual diretor da ONG Norwegian Refugees Council (NRC), afirmou durante a cimeira humanitária mundial a decorrer em Istambul que a situação dos refugiados é dramática, mas que é "ainda mais preocupante" o destino daqueles a que as organizações de ajuda humanitária não têm acesso.

"Neste preciso momento há 55.000 civis apanhados no fogo cruzado na cidade iraquiana de Fallujah, controlada pelo Daesh, que combate as forças iraquianas, e não há forma de aceder a elas", disse Egeland, responsável por uma das maiores ONG mundiais dedicadas aos refugiados.

No total, disse, há sete milhões de pessoas a viver em regiões controladas pelo grupo e é "muito, muito difícil" negociar com a milícia 'jihadista' a abertura de vias humanitárias.

Várias organizações denunciaram na cimeira de Istambul as frequentes violações das leis humanitárias e da Convenção de Genebra, como os bombardeamentos a hospitais ou a ocupação de escolas.

"Não é preciso ser um cientista para apurar que aviões bombardearam um hospital", disse Egeland. "Difundiu-se uma ideia de que 'o médico do meu inimigo é meu inimigo'. Não! O médico do meu inimigo está a fazer o seu trabalho", frisou.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.