sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Curdos iraquianos retomam nove localidades do norte ao Daesh

As forças curdas concluíram hoje uma operação contra o Daesh no norte do Iraque após terem retomado nove localidades aos jihadistas, refere um comunicado.

© Alaa Al-Marjani / Reuters

A operação a leste de Mossul "atingiu os seus objetivos prioritários", indicou o Conselho de Segurança da região autónoma do Curdistão iraquiano, ao referir-se à recuperação de nove cidades controladas pelo Daesh desde junho de 2014.

Cerca de 5.500 peshmergas (combatentes curdos iraquianos), apoiados pela aviação internacional dirigida pelos Estados Unidos, integraram a operação desencadeada domingo antes do amanhecer.

No seu avanço, garantiram o controlo de uma zona de cerca de 120 metros quadrados, perto da estrada principal entre Mossul, o principal bastião do Daesh no Iraque, e Erbil, a capital do Curdistão iraquiano.

Segundo o comunicado, 140 jihadistas foram mortos e 14 viaturas armadilhadas destruídas no decurso desta operação de dois dias.

Quatro peshmergas também terão sido mortos e 34 feridos, indicou um responsável das forças curdas em conferência de imprensa.

Esta operação nos arredores de Mossul ocorreu em simultâneo com uma grande ofensiva, ainda em curso das forças iraquianas contra Fallujah, uma outra importante cidade iraquiana controlada pelo Daesh.

Com Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.