sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Pentágono garante que EUA e Rússia não estão a coordenar-se no combate ao Daesh

Os Estados Unidos e a Rússia não estão a coordenar-se militarmente no norte da Síria, mesmo quando as forças que apoiam começam a atuar em proximidade à medida que ganham terreno ao grupo extremista Daesh.

(Arquivo)

(Arquivo)

STR

Esta falta de coordenação foi referida hoje por um assessor de imprensa do Pentágono, Peter Cook.

As forças do regime sírio, apoiadas por aviões russos, e a aliança liderada pelos curdos e apoiada pelos Estados Unidos estão a fazer ofensivas separadas contra o Daesh numa vasta área a oeste de Raqa, a capital de facto do grupo extremista.

"Coordenação direta de atividades no terreno não está a acontecer", disse Cook.

Dirigentes militares norte-americanos e russos falam regularmente para garantir que os seus aviões não correm riscos de se atingir mutuamente sobre a Síria, mas apenas ao nível das comunicações no país em guerra, acrescentou Cook.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, os combatentes governamentais apoiados pelos russos estão a 24 quilómetros do Lago Assad, uma importante reserva de água no vale do Eufrates, contida pela barragem de Tabqa, situada 50 quilómetros a oeste de Raqa.

Ao mesmo tempo, membros da aliança, liderada pelos curdos, designada Forças Democráticas Sírias estão a 60 quilómetros a norte de Raqa, se bem que o seu foco imediato é outra cidade, designada Manbij, que é vista como um importante ponto de trânsito para os combatentes do Daesh.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31