sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh crucifica cinco sírios por incumprimento de jejum do Ramadão

O Daesh crucificou hoje cinco civis durante quatro horas, na cidade síria de Deir al-Zur, por não terem cumprido o jejum do mês sagrado muçulmano do Ramadão, indicou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

(Arquivo)

(Arquivo)

Os cinco civis foram crucificados no muro do antigo edifício da "hesba", corpo parapolicial dos 'jihadistas', perante uma multidão que incluía menores.

As vítimas permaneceram pregadas ao muro das 14:00 até às 18:00 (das 12:00 às 16:00 de Lisboa), em seguida, foram retiradas de lá e receberam cada uma 70 chicotadas.

Depois deste castigo, o Daesh deixou-as ir-se embora.

O Observatório salientou que é a primeira vez que o Daesh aplica este tipo de castigo na Síria desde o início deste Ramadão, embora já o tenha infligido em anos anteriores.

Os extremistas aplicam uma versão radical da Sharia, ou lei islâmica, nos territórios que controlam na Síria e no Iraque.

Durante o mês do Ramadão, os muçulmanos abstêm-se de comer, beber, fumar e ter relações sexuais desde o nascer ao pôr-do-sol.

De acordo com a tradição islâmica, este foi o mês em que o profeta Maomé começou a receber a revelação do Corão.

O jejum é um dos cinco pilares do Islão e, em geral, só estão dispensados de o cumprir as mulheres grávidas ou com a menstruação, os doentes, as crianças e os viajantes, como estabelecem as normas religiosas.

Com Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida