sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

CIA reconhece que Daesh continua capaz de fazer ataques apesar dos esforços internacionais

O Daesh mantém a capacidade de realizar ataques terroristas em todo o mundo apesar dos esforços da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, reconheceu hoje o diretor da agência de serviços secretos norte-americana (CIA).

(Arquivo)

(Arquivo)

"Infelizmente, apesar dos nossos progressos contra o Estado Islâmico (EI) no campo de batalha e na área financeira, os nossos esforços não reduziram a sua capacidade de efetuar atentados terroristas de alcance mundial", afirmou John Brennan, numa comissão no Senado norte-americano (câmara alta do Congresso norte-americano).

"À medida que a pressão aumenta" sobre o EI no Iraque e na Síria, "acreditamos que [o grupo extremista] vai intensificar a campanha a nível mundial" para continuar a ser a organização terrorista mais poderosa, declarou o representante norte-americano.

Segundo John Brennan, o grupo sunita radical estará a treinar potenciais autores de ataques e a tentar destacá-los para novos atentados.

Sobre as operações no terreno, o diretor da CIA destacou "vários indicadores importantes", nomeadamente a perda de territórios no Iraque e na Síria e o enfraquecimento do poder de recrutamento.

"Um número crescente de combatentes [do EI] está desiludido" e o grupo extremista tem cada vez mais dificuldades em reforçar as suas fileiras e recrutar novos combatentes, explicou ainda Brennan.

Apesar de continuarem a gerar receitas, os "jihadistas" também têm perdido recursos financeiros, acrescentou o representante.

"O EI continua a ser um adversário terrível", sublinhou.

John Brennan falou no Senado no mesmo dia em que o Presidente norte-americano, Barack Obama, vai à cidade de Orlando (Florida) para prestar homenagem às vítimas do tiroteio ocorrido no passado fim de semana numa discoteca 'gay'.

O ataque, entretanto reivindicado pelo Daesh, foi considerado como o pior atentado em território norte-americano desde os atentados do 11 de setembro (2001).

No domingo passado, Omar Mateen, um cidadão norte-americano filho de afegãos que jurou lealdade ao Daesh, abriu fogo numa discoteca frequentada pela comunidade homossexual. No atentado morreram 49 pessoas e outras 53 ficaram feridas.

Com Lusa

  • Nomeados para os Óscares são anunciados hoje

    Óscares 2017

    As nomeações para a 89ª. edição dos Óscares, os prémios da Academia norte-americana de cinema, são conhecidos esta terça-feira e pela primeira vez o anúncio será feito apenas via Internet. Para ver também aqui em direto, na SIC Notícias, a partir das 13:00.

    Aqui às 13:00

  • "O Sporting é o um barco à deriva"
    2:26
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    A crise do Sporting foi o principal tema em O Dia Seguinte, esta segunda-feira. José Guilherme Aguiar censura Bruno de Carvalho por ter convidado Jorge Jesus para a comissão de honra da recandidatura. Já Rogério Alves não tem dúvidas que a contestação tem aumentado de tom devido à proximidade das eleições do Sporting. Rui Gomes da Silva pensa que toda a direção leonina é responsável pelo mau momento atual do clube.

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • "Todo o mundo no voo estava a orar em voz alta"
    4:00
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.