sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Pelo menos 34 soldados pró-governamentais mortos em confrontos com jihadistas

Pelo menos 34 membros das forças pró-governamentais foram hoje mortos em violentos combates com os jihadistas do Daesh no seu bastião de Syrte, referiu uma fonte médica.

© Stringer . / Reuters

O dia de hoje foi o mais sangrento para as forças governamentais desde o início em 12 de maio da sua ofensiva para retomar a cidade de Syrte (centro-norte) aos 'jihadistas'.

Num país mergulhado na crise e em conflitos sucessivos desde a queda do regime de Muammar Kadhafi em 2011, 29 pessoas também foram hoje mortas e dezenas feridas na explosão de um depósito de armamento numa cidade a leste da capital Tripoli, após confrontos entre habitantes armados e milícias, referiram responsáveis locais.

Em Syrte, 450 quilómetros a leste de Tripoli, violentos combates opuseram as forças do GNA (Governo de união nacional), reconhecido pela comunidade internacional, aos 'jihaadistas', uma cidade que controlam desde 2015, segundo o comando militar.

"As nossas forças avançam em todas as frentes contra as posições dos "jihadistas", apoiadas por artilharia pesada e aviação", acrescentou.

Um novo balanço de fonte médica em Misrata citada pela agência noticiosa France-Presse "há 34 mortos e 100 feridos" entre as forças pró-governamentais em Syrte.

A ofensiva permitiu às forças pró-GNA retomar diversas localidades e posições ocupadas pelo Daesh desde a cidade de Misrata, sede do comando da operação militar, em direção a Syrte, onde conseguiram entrar em 9 de junho antes de cercarem os "jihadistas" numa zona residencial de cinco quilómetros quadrados.

Misrata está situada a cerca de 200 quilómetros a oeste de Syrte, com as poderosas milícias desta cidade a formarem o principal núcleo das forças pró-GNA envolvidas na ofensiva.

Desde o início desta operação, e segundo fontes médicas, já foram mortos cerca de 200 membros das forças leais ao GNA, e centenas feridos. O balanço global das baixas 'jihadistas' é desconhecido.

Um general norte-americano, e numa referência à situação na Líbia, admitiu hoje "não saber" de os Estados Unidos possuem uma "forte estratégia" para a guerra neste país do norte de África.

O general Thomas Waldhauser, designado para a chefia do Comando África das Forças armadas dos Estados Unidos, disse que não perspetiva necessariamente uma alteração do atual envolvimento norte-americano.

Atualmente, a presença dos EUA na Líbia é muito limitada, apesar de entre 5.000 a 8.000 combatentes do Daesh permaneceram no terreno, segundo as estimativas.

Pequenas equipas norte-americanas de operações especiais estão envolvidas no conflito para a recolha de informações e a aviação dos EUA já promoveu pelo menos dois ataques, mas a administração de Barack Obama optou apenas pelo envolvimento das forças pró-governamentais no combate direto aos "jihadistas".

"Não estou ao corrente neste momento de qualquer estratégia consistente", disse Waldhauser no decurso de uma audiência no Senado.

O militar considerou ainda que o atual número, não especificado, de tropas norte-americanas na Líbia é de momento suficiente.

Com Lusa

  • Coligação destrói alvos estratégicos dos jihadistas no Iraque
    0:44

    Daesh

    No combate aos jihadistas do Daesh, os Estados Unidos revelaram, esta sexta-feira, imagens de um raide aéreo no Iraque. Este vídeo mostra a destruição de alvos estratégicos, um carro de apoio do grupo islâmico radical. Foi na cidade de Hit, perto de Ramadi, no dia 30 de maio. O relatório era informação confidencial da Defesa americana que a tornou pública para dar conta das operações com caças bombardeiros que têm como objetivo atingir posições onde o Daesh tem armas e outros equipamentos.

  • ONU acusa jihadistas de usarem civis como escudos humanos em Fallujah
    1:51

    Daesh

    Cerca de 3 mil e 700 civis terão já conseguido fugir de Fallujah, tomada pelo Daesh e cercada pelas forças iraquianas. As Nações Unidas continuam a apelar à abertura de passagens seguras que permitam a saída dos milhares de civis mas os jihadistas estão a reter os habitantes e a usá-los como escudo humano. O primeiro-ministro iraquiano adiou assalto ao centro da cidade por temer segurança dos civis. A UNICEF alerta que cerca de 20 mil crianças estão presas em Fallujah.

  • Ofensiva iraquiana continua em Fallujah para expulsar Daesh
    0:18

    Daesh

    Entrou na terceira fase a ofensiva que arrancou no dia 22 de maio e que pretende expulsar os jihadistas de Fallujah, no Iraque. Apenas algumas centenas de famílias conseguiram fugir da cidade antes da operação. De acordo com o comandante responsável pela ofensiva, nesta grande operação participam unidades antiterroristas, elementos do Exército e da polícia iraquianos e milicias xiitas.

  • Exército sírio intensifica combates contra o Daesh
    1:17

    Mundo

    O exército sírio intensificou os combates para derrubar o Daesh. Depois de conquistar Palmira, as forças governamentais avançaram esta terça-feira sobre Homs. Apesar do cessar-fogo em vigor, há registo de combates entre grupos jihadistas e o exército.

  • Marcelo na peregrinação de Nossa Senhora de Fátima no Luxemburgo

    Mundo

    O Presidente da República participou esta quinta-feira, a título privado, na peregrinação em honra de Nossa Senhora de Fátima, na cidade luxemburguesa de Wiltz. Milhares de portugueses receberam Marcelo Rebelo de Sousa, que assistiu à missa e, durante alguns minutos, participou na procissão.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.