sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

EUA querem acelerar ofensiva contra o Daesh

Os ataques mortais em Bagdad reforçam a vontade dos Estados Unidos de "acelerar" a ofensiva contra o grupo extremista Daesh no Iraque e na Síria, mas sem mudar a estratégia da coligação, disse hoje o Pentágono.

(Arquivo)

(Arquivo)

"Foi claramente um ataque devastador e uma lembrança dolorosa das capacidades mortais do Estado Islâmico", disse o porta-voz do Pentágono, Peter Cook.

"Mas isso não muda a estratégia, que é a de combater o grupo extremista no Iraque e na Síria a ritmo acelerado, de forma tão agressiva quanto possível, para tentar limitar a sua capacidade", acrescentou.

Pelo menos 213 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas no domingo quando uma viatura explodiu numa zona comercial da capital iraquiana, um dos ataques mais mortais ocorridos no país.

O ataque, reivindicado pelo grupo extremista Daesh, revoltou os iraquianos face à incapacidade do Governo para proteger os civis e implementar medidas de segurança eficazes.

Os Estados Unidos destacaram quatro mil soldados para o Iraque para treinar e aconselhar as tropas iraquianas, mas não estão diretamente envolvidos nos combates.

Os Estados Unidos e o general Sean McFarland, que controla as forças da coligação em Bagdad, "trabalham em estreita colaboração" com o Governo iraquiano depois dos ataques, mas não vão ser implementadas mais tropas norte-americanas no Iraque, disse o porta-voz do Pentágono.

"Apertar o cerco ao Estado Islâmico no Iraque vai comprometer a sua capacidade de realizar ataques, tanto em solo iraquiano, como no resto do mundo", salientou Peter Cook.

Os ministros da Defesa dos Estados Unidos e dos restantes países da coligação internacional vão reunir-se este mês em Washington para fazer um balanço da situação militar.

Lusa

  • Ataque do Daesh no Bangladesh provoca pelo menos 40 feridos e 2 mortos
    1:10

    Daesh

    O Daesh reivindicou o ataque e a tomada de reféns que ainda decorre num restaurante no bairro diplomático de Daca, capital do Bangladesh. Os atacantes mantêm sequestradas várias pessoas. A CNN avança em pelo menos 20 reféns. A polícia local diz que há cerca de 40 feridos e pelo menos dois polícias mortos.

  • PM do Bangladesh condena sequestro do Daesh e promete combater terrorismo
    0:37

    Mundo

    O ataque reivindicado pelo Daesh causou a morte de 20 cidadãos estrangeiros, depois de terem estado reféns durante a noite num restaurante do Bangladesh e terem sido agredidos até à morte A primeira-ministra do Bangladesh, Sheikh Hasina, condenou o ataque e garantiu que o país vai continuar a combater o terrorismo.

  • 120 mortos em atentados do Daesh em Bagdade
    1:45

    Mundo

    120 pessoas morreram e centenas ficaram feridas em dois atentados em Bagdade, este sábado. O Daesh já reivindicou os ataques dizendo que o alvo principal foi a população shiita. O primeiro-ministro iraquiano foi vaiado quando visitou um dos alvos do ataque na capital iraquiana.

  • Bernardo Silva no City? O que Pep Guardiola disse ao português na Champions
    0:34
  • A promessa e a peregrinação do Presidente no Luxemburgo
    2:28
  • "O Brasil não parou e não vai parar"
    1:33

    Mundo

    O Presidente do Brasil diz ter condições para continuar à frente do Palácio do Planalto. Num vídeo publicado no Twitter, Michel Temer garante que o país não parou, nem vai parar, mas há uma nova gravação que pode comprometer o futuro do chefe de Estado.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57