sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

EUA querem acelerar ofensiva contra o Daesh

Os ataques mortais em Bagdad reforçam a vontade dos Estados Unidos de "acelerar" a ofensiva contra o grupo extremista Daesh no Iraque e na Síria, mas sem mudar a estratégia da coligação, disse hoje o Pentágono.

(Arquivo)

(Arquivo)

"Foi claramente um ataque devastador e uma lembrança dolorosa das capacidades mortais do Estado Islâmico", disse o porta-voz do Pentágono, Peter Cook.

"Mas isso não muda a estratégia, que é a de combater o grupo extremista no Iraque e na Síria a ritmo acelerado, de forma tão agressiva quanto possível, para tentar limitar a sua capacidade", acrescentou.

Pelo menos 213 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas no domingo quando uma viatura explodiu numa zona comercial da capital iraquiana, um dos ataques mais mortais ocorridos no país.

O ataque, reivindicado pelo grupo extremista Daesh, revoltou os iraquianos face à incapacidade do Governo para proteger os civis e implementar medidas de segurança eficazes.

Os Estados Unidos destacaram quatro mil soldados para o Iraque para treinar e aconselhar as tropas iraquianas, mas não estão diretamente envolvidos nos combates.

Os Estados Unidos e o general Sean McFarland, que controla as forças da coligação em Bagdad, "trabalham em estreita colaboração" com o Governo iraquiano depois dos ataques, mas não vão ser implementadas mais tropas norte-americanas no Iraque, disse o porta-voz do Pentágono.

"Apertar o cerco ao Estado Islâmico no Iraque vai comprometer a sua capacidade de realizar ataques, tanto em solo iraquiano, como no resto do mundo", salientou Peter Cook.

Os ministros da Defesa dos Estados Unidos e dos restantes países da coligação internacional vão reunir-se este mês em Washington para fazer um balanço da situação militar.

Lusa

  • Ataque do Daesh no Bangladesh provoca pelo menos 40 feridos e 2 mortos
    1:10

    Daesh

    O Daesh reivindicou o ataque e a tomada de reféns que ainda decorre num restaurante no bairro diplomático de Daca, capital do Bangladesh. Os atacantes mantêm sequestradas várias pessoas. A CNN avança em pelo menos 20 reféns. A polícia local diz que há cerca de 40 feridos e pelo menos dois polícias mortos.

  • PM do Bangladesh condena sequestro do Daesh e promete combater terrorismo
    0:37

    Mundo

    O ataque reivindicado pelo Daesh causou a morte de 20 cidadãos estrangeiros, depois de terem estado reféns durante a noite num restaurante do Bangladesh e terem sido agredidos até à morte A primeira-ministra do Bangladesh, Sheikh Hasina, condenou o ataque e garantiu que o país vai continuar a combater o terrorismo.

  • 120 mortos em atentados do Daesh em Bagdade
    1:45

    Mundo

    120 pessoas morreram e centenas ficaram feridas em dois atentados em Bagdade, este sábado. O Daesh já reivindicou os ataques dizendo que o alvo principal foi a população shiita. O primeiro-ministro iraquiano foi vaiado quando visitou um dos alvos do ataque na capital iraquiana.

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.