sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

EUA enviam 500 soldados para o Iraque para lutar contra o Daesh

O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, anunciou hoje o envio de mais de 500 soldados para o Iraque para ajudar as forças governamentais a lutarem contra o Daesh.

(Arquivo)

(Arquivo)

Na sua quarta visita ao Iraque desde que assumiu funções em fevereiro de 2015, Carter encontrou-se com o primeiro-ministro, Haider Al-Abadi, e com o seu homólogo, Khaled al-Obeidi.

Os Estados Unidos dirigem uma coligação internacional que combate o Daesh e a visita de Carter acontece dois dias depois da recuperação pelas forças iraquianas da base aérea de Qayyarah a cerca de 60 quilómetros a sul de Mossul, considerada uma etapa crucial para a batalha pela reconquista da segunda cidade do Iraque, controlada por aqueles jihadistas desde junho de 2014.

"Perante os recentes avanços das forças de segurança, Carter anunciou que os Estados Unidos, em estreita coordenação com o governo iraquiano, enviarão 560 militares adicionais para o Iraque para que se prossiga esta dinâmica", indicou um comunicado do Pentágono.

"Estes efetivos darão às forças iraquianas um apoio nomeadamente em matéria de capacidade logística e em infraestruturas na base aérea de Qayyarah", precisou.

Com este destacamento o número de efetivos militares norte-americanos no Iraque aumentará para mais de 4.600, a maioria com missões de formação das tropas iraquianas.

Na reunião com Abadi, Carter exprimiu as condolências pelos ataques terroristas do Daesh - na passada segunda-feira um atentado suicida em Bagdad causou quase 300 mortos -, tendo felicitado as forças iraquianas pelos êxitos no combate aos jihadistas, nomeadamente a recuperação da cidade de Fallujah e da base de Qayyarah.

O chefe do Pentágono deve ainda falar ao telefone com o presidente de facto da região autónoma do Curdistão iraquiano (norte), Massud Barzani.

Os Estados Unidos prometerem 415 milhões de dólares (375 milhões de euros) para ajudar as forças curdas, que desempenham um papel chave na luta contra o Daesh na batalha por Mossul.

Com Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.