sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Irmãos sul-africanos planeavam explodir embaixada dos EUA na África do Sul

Dois irmãos sul-africanos foram presos sob a acusação de planear explodir a embaixada dos Estados Unidos (EUA) em Pretória e instituições judaicas, para além de planearem juntar-se ao grupo "jihadista" Daesh, disse hoje a polícia.

Os gémeos de 23 anos, Brandon-Lee e Tony-Lee Thulsie, estiveram presentes num tribunal de Joanesburgo depois de terem sido presos no fim de semana.

"Eles queriam, alegadamente, explodir a embaixada dos EUA e instalações judaicas no país", disse o porta-voz da polícia de elite de África do Sul -- os 'Hawks' -- Hangwani Mulaudzi.

Os EUA e a Grã-Bretanha alertaram no mês passado para a possibilidade iminente de ataques terroristas por parte de extremistas islâmicos nas maiores cidades da África do Sul.

O alerta dos EUA dizia que os ataques podiam ter como alvo locais frequentados por cidadãos norte-americanos, incluindo centros comerciais no centro de Joanesburgo e na Cidade do Cabo, populares entre os turistas.

Os dois homens, que são acusados de planear juntarem-se ao EI na Síria, estão em prisão preventiva e vão voltar a tribunal no próximo dia 19.

"Eles estavam no nosso radar desde 2015. Tentaram sair do país duas vezes, através do aeroporto Oliver Tambo e através de Moçambique (para se juntarem ao EI)", continuou Mulaudzi.

Segundo os documentos do tribunal, os irmãos "conspiravam atos de terrorismo ao planear explosões numa missão dos EUA e de instituições judaicas".

Os suspeitos foram também acusados de incitar outras pessoas a "ajudá-los e a incentivá-los", segundo a acusação provisória.

"O objetivo era promover os ideais políticos, religiosos e ideológicos do EI", disse.

Outros dois suspeitos também presos no sábado estariam ligados aos irmãos, mas o tribunal adiantou que foram acusados por crimes diferentes e iam ser ouvidos noutro tribunal.

Os muçulmanos representam apenas 1,5% da população de África do Sul, que tem 53 milhões de habitantes e, até agora, o país tem escapado dos ataques 'jihadistas' feitos no continente africano.

"Temos provas de que há sul-africanos a juntarem-se ao espaço geográfico do EI (na Síria)", disse Nick Piper da Signal Risk, uma consultora de segurança da Cidade do Cabo, à imprensa.

"A radicalização está a acontecer na África do Sul. Se houver algum incidente, há uma forte possibilidade de acontecer aqui", concluiu.

A embaixada dos EUA não quis fazer comentários.

Com Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.