sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

"Repetidas ameaças" a Portugal e a Espanha

(Arquivo)

A Europol destacou hoje as "repetidas ameaças" do Daesh a Portugal e Espanha e considerou que ataques semelhantes aos de novembro, em Paris, podem ocorrer num "futuro próximo" na União Europeia.

No relatório divulgado hoje pelo serviço europeu de polícia sobre a situação e tendência do terrorismo na União Europeia, em 2016, a Europol referiu, no capítulo sobre terrorismo jihadista e o Daesh, que a organização tem "repetidamente ameaçado a Península Ibérica e os membros da UE da coligação anti-Daesh nos seus vídeos de propaganda, fazendo referências específicas à Bélgica, França, Itália e Reino Unido".

No parágrafo anterior a este, lê-se que os ataques de 13 de novembro, em Paris, que mataram 130 pessoas, introduziram uma tática para "causar mortes em massa", ao combinar o uso de armas pequenas com dispositivos explosivos improvisados, colocados em coletes suicidas.

"A forma como estes ataques foram preparados e perpetrados - planeados por repatriados, muito provavelmente a receber instruções da liderança do Daesh, incluindo o uso de recrutas locais para realizar os atentados - leva-nos à avaliação de que ataques semelhantes podem voltar a ser encenados na UE, num futuro próximo", refere o documento.

Na nota introdutória ao relatório, o diretor da organização, Rob Wainwright, notou como a França foi o país que mais sofreu em 2015, ao contabilizar 148 mortes e mais de 350 feridos em ataques realizados de janeiro a novembro.

"Em 2015, assassinatos e ferimentos resultaram de ataques terroristas pouco sofisticados de lobos solitários e de ataques complexos e bem coordenados por grupos de militantes", notou Wainwright, acrescentando que o cuidadoso planeamento mostra ainda a "elevada ameaça para a UE de uma minoria fanática".

Este relatório mostra que o número de ataques "aumentou ligeiramente" em 2015, em relação a 2014.

O serviço de polícia registou, no ano passado, 211 ataques entre ações falhadas, fracassadas ou completadas em seis países da UE, com quase metade (103) a ocorrer no Reino Unido, seguindo-se a França (72) e Espanha (25).

Dos atentados resultaram 151 mortos - 148 em França, dois na Dinamarca e um na Grécia -, traduzindo uma subida muito elevada em relação a 2014 quando quatro pessoas morreram e seis ficaram feridas.

"Como em 2014, as armas de fogo foram usadas, em pelo menos metade dos ataques registados pelos Estados-membros. Explosivos foram usados em 24 ataques (22%), o que é a continuação do decréscimo do uso desta forma de atuação", lê-se.

Quanto a prisões realizadas em 2015, no quadro do terrorismo, a Europol indicou duas detenções de separatistas, feitas em Portugal.

No total, foram detidos 1077 indivíduos, contra 774, em 2014, com a maior parte a ocorrer em França (424), Espanha (187) e Reino Unido (134), tendo ainda o relatório notado que a maior proporção de detenções estão relacionadas com o terrorismo jihadista (168).

As estatísticas publicadas referiram um aumento da detenção de pessoas com menos de 25 anos (268, em 2015, contra 178, em 2014, e 87, em 2013) e a quase duplicação de mulheres detidas: 171, no ano passado, contra 96, em 2014.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.