sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

"Repetidas ameaças" a Portugal e a Espanha

(Arquivo)

A Europol destacou hoje as "repetidas ameaças" do Daesh a Portugal e Espanha e considerou que ataques semelhantes aos de novembro, em Paris, podem ocorrer num "futuro próximo" na União Europeia.

No relatório divulgado hoje pelo serviço europeu de polícia sobre a situação e tendência do terrorismo na União Europeia, em 2016, a Europol referiu, no capítulo sobre terrorismo jihadista e o Daesh, que a organização tem "repetidamente ameaçado a Península Ibérica e os membros da UE da coligação anti-Daesh nos seus vídeos de propaganda, fazendo referências específicas à Bélgica, França, Itália e Reino Unido".

No parágrafo anterior a este, lê-se que os ataques de 13 de novembro, em Paris, que mataram 130 pessoas, introduziram uma tática para "causar mortes em massa", ao combinar o uso de armas pequenas com dispositivos explosivos improvisados, colocados em coletes suicidas.

"A forma como estes ataques foram preparados e perpetrados - planeados por repatriados, muito provavelmente a receber instruções da liderança do Daesh, incluindo o uso de recrutas locais para realizar os atentados - leva-nos à avaliação de que ataques semelhantes podem voltar a ser encenados na UE, num futuro próximo", refere o documento.

Na nota introdutória ao relatório, o diretor da organização, Rob Wainwright, notou como a França foi o país que mais sofreu em 2015, ao contabilizar 148 mortes e mais de 350 feridos em ataques realizados de janeiro a novembro.

"Em 2015, assassinatos e ferimentos resultaram de ataques terroristas pouco sofisticados de lobos solitários e de ataques complexos e bem coordenados por grupos de militantes", notou Wainwright, acrescentando que o cuidadoso planeamento mostra ainda a "elevada ameaça para a UE de uma minoria fanática".

Este relatório mostra que o número de ataques "aumentou ligeiramente" em 2015, em relação a 2014.

O serviço de polícia registou, no ano passado, 211 ataques entre ações falhadas, fracassadas ou completadas em seis países da UE, com quase metade (103) a ocorrer no Reino Unido, seguindo-se a França (72) e Espanha (25).

Dos atentados resultaram 151 mortos - 148 em França, dois na Dinamarca e um na Grécia -, traduzindo uma subida muito elevada em relação a 2014 quando quatro pessoas morreram e seis ficaram feridas.

"Como em 2014, as armas de fogo foram usadas, em pelo menos metade dos ataques registados pelos Estados-membros. Explosivos foram usados em 24 ataques (22%), o que é a continuação do decréscimo do uso desta forma de atuação", lê-se.

Quanto a prisões realizadas em 2015, no quadro do terrorismo, a Europol indicou duas detenções de separatistas, feitas em Portugal.

No total, foram detidos 1077 indivíduos, contra 774, em 2014, com a maior parte a ocorrer em França (424), Espanha (187) e Reino Unido (134), tendo ainda o relatório notado que a maior proporção de detenções estão relacionadas com o terrorismo jihadista (168).

As estatísticas publicadas referiram um aumento da detenção de pessoas com menos de 25 anos (268, em 2015, contra 178, em 2014, e 87, em 2013) e a quase duplicação de mulheres detidas: 171, no ano passado, contra 96, em 2014.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.