sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh está a utilizar civis como escudo humano

O autoproclamado Estado Islâmico está a utilizar civis como escudo humano na Síria, denunciou um responsável militar norte-americano, numa altura em que a coligação tem sido acusada de matar dezenas de civis em conflitos perto de Manbij.

© Stringer . / Reuters

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos acusou a coligação de matar 56 civis, das quais 11 crianças, quando, na terça-feira, fugiam de uma cidade perto de Manbij, um ponto estratégico entre a Turquia e da fortaleza jihadista de Raqa.

A entidade com sede no Reino Unido baseia os seus dados numa rede de fontes no interior da Síria.

A coligação iniciou uma investigação sobre esta situação.

O movimento Estado Islâmico "utilizou civis como escudos humanos e como isco" num esforço para enfrentar as Forças Democráticas da Síria (SDF), uma aliança apoiada pelos EUA, disse Chris Garver, um porta-voz da coligação, em vídeo conferência a partir de Bagdade.

Chris Garver referiu que o ataque de terça-feira ocorreu depois dos elementos das SDF "terem observado um grande grupo de combatentes da Daesh [do árabe para Estado Islâmico] que pareciam estar preparados para um contra-ataque" contra as forças da coligação na área.

O porta-voz esclareceu que o ataque da coligação se dirigia a edifícios e veículos e depois foram recebidos relatórios a apontar para a possibilidade de existirem civis na área, misturados com os combatentes do Estado Islâmico.

Chris Garver relatou que o combate nesta cidade foi diferente já que, depois de as forças aliadas terem entrado na área urbana, a luta intensificou-se.

Estimou que as SDF já tenham tomado metade da cidade, numa área que tem cerca de dois mil habitantes civis.

Lusa

  • Resgate de mais de 300 migrantes no Mediterrâneo
    2:08
  • 10 Minutos com Eurico Reis
    11:20

    10 Minutos

    Há quatro meses que Portugal é um dos poucos países europeus onde é possível recorrer à gestação de substituição. E há já um casal que teve luz verde para começar os tratamentos. Para um balanço, foi nosso convidado Eurico Reis, juiz desembargador e presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, a entidade que autoriza os processos de gestação de substituição.

    Entrevista completa

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01