sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Interpol une-se à aliança internacional contra Daesh

(Arquivo)

A Interpol juntou-se à aliança internacional que luta contra o "fluxo de combatentes terroristas estrangeiros e o financiamento do Daesh", anunciou hoje a organização internacional de polícia criminal.

"Trocar informação com a Interpol significa estender o perímetro de toda a segurança nacional", disse num comunicado o secretário-geral da Interpol, Jurgen Stock, instituição que vai atuar como catalisador de um esforço conjunto "para contrariar o terrorismo".

Stock, que assistiu à reunião ministerial da luta contra o Daesh celebrada ontem em Washington, lembrou que, graças à colaboração já existente entre a Interpol e o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, conseguiram "pistas de investigação de valor incalculável".

Responder a este trabalho conjunto, segundo o secretário-geral, "melhoraria drasticamente o êxito das investigações" já que os esforços de aplicação da legislação param às portas das zonas de conflito "com demasiada frequência".

Por isso, indicou como passo essencial "construir uma ponte" entre a zona de conflito, onde se encontra o núcleo do Daesh, e outros lugares sujeitos à aplicação das suas legislações, onde a organização radicaliza e golpeia.

Atualmente, a Interpol põe à disposição dos seus membros uma base de dados com informação sobre mais de 7.500 combatentes terroristas estrangeiros fornecidos por cerca de 60 países. Isso sem contar com os milhares de arquivos adicionais que a organização utiliza com fins analíticos para proporcionar pistas à polícia em todo o mundo.

Criada em setembro de 2014, esta coligação internacional conta com 66 sócios e cinco linhas de ação, três delas agora apoiadas pela Interpol: "bloquear o fluxo de combatentes estrangeiros, parar o financiamento ao Daesh e expôr a sua verdadeira natureza".


Lusa

  • Detidos no Brasil prestaram juramento ao Daesh
    1:41

    Daesh

    A duas semanas dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, a polícia brasileira deteve 10 pessoas suspeitas de estarem a planear um ataque terrorista. Cada uma delas estava num estado brasileiro diferente e trocavam mensagens através das redes sociais. A polícia descobriu um plano para um atentado. O grupo tinha prestado juramento à causa do Daesh. Neste momento as autoridades vigiam 100 alegados simpatizantes de terroristas.

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.