sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Interpol une-se à aliança internacional contra Daesh

(Arquivo)

A Interpol juntou-se à aliança internacional que luta contra o "fluxo de combatentes terroristas estrangeiros e o financiamento do Daesh", anunciou hoje a organização internacional de polícia criminal.

"Trocar informação com a Interpol significa estender o perímetro de toda a segurança nacional", disse num comunicado o secretário-geral da Interpol, Jurgen Stock, instituição que vai atuar como catalisador de um esforço conjunto "para contrariar o terrorismo".

Stock, que assistiu à reunião ministerial da luta contra o Daesh celebrada ontem em Washington, lembrou que, graças à colaboração já existente entre a Interpol e o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, conseguiram "pistas de investigação de valor incalculável".

Responder a este trabalho conjunto, segundo o secretário-geral, "melhoraria drasticamente o êxito das investigações" já que os esforços de aplicação da legislação param às portas das zonas de conflito "com demasiada frequência".

Por isso, indicou como passo essencial "construir uma ponte" entre a zona de conflito, onde se encontra o núcleo do Daesh, e outros lugares sujeitos à aplicação das suas legislações, onde a organização radicaliza e golpeia.

Atualmente, a Interpol põe à disposição dos seus membros uma base de dados com informação sobre mais de 7.500 combatentes terroristas estrangeiros fornecidos por cerca de 60 países. Isso sem contar com os milhares de arquivos adicionais que a organização utiliza com fins analíticos para proporcionar pistas à polícia em todo o mundo.

Criada em setembro de 2014, esta coligação internacional conta com 66 sócios e cinco linhas de ação, três delas agora apoiadas pela Interpol: "bloquear o fluxo de combatentes estrangeiros, parar o financiamento ao Daesh e expôr a sua verdadeira natureza".


Lusa

  • Detidos no Brasil prestaram juramento ao Daesh
    1:41

    Daesh

    A duas semanas dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, a polícia brasileira deteve 10 pessoas suspeitas de estarem a planear um ataque terrorista. Cada uma delas estava num estado brasileiro diferente e trocavam mensagens através das redes sociais. A polícia descobriu um plano para um atentado. O grupo tinha prestado juramento à causa do Daesh. Neste momento as autoridades vigiam 100 alegados simpatizantes de terroristas.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.