sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Polícia espanhola detém dois irmãos marroquinos por colaborar com Daesh

(Arquivo)

A Guarda Civil espanhola deteve em Girona, Catalunha, dois irmãos marroquinos acusados de colaborar com uma estrutura permanente de financiamento da organização terrorista islamita Daesh, anunciou hoje o Ministério da Administração Interna do país vizinho.

A organização utilizava identidades falsas para enviar fundos à estrutura financeira do Daesh na Síria e no Iraque, que depois eram usados para pagar a deslocação de operacionais para zonas de conflito.

A investigação, que contou com a colaboração do Centro Nacional de Inteligência, é a primeira em Espanha em que se obtêm provas concretas que demonstram o uso de remessas de dinheiro da Europa para facilitar as operações do Daesh.

Os detidos são acusados do delito de financiamento de atividades terroristas e de colaboração com um grupo terrorista.

Os investigadores constataram que esta atividade proporcionava permanentemente apoio financeiro ao grupo terrorista.

O Ministério dos Assuntos Internos destaca a importância que tem a interrupção dos circuitos de captação e envio de jihadistas, assim como os fluxos financeiros que permitem a manutenção de estruturas e o desenvolvimento de operações terroristas na Europa.

Lusa

  • Porque associamos o Islão aos atentados?
    7:55

    FB Instant Articles

    Depois dos vários atentados que a Europa tem sofrido, Faranaz Keshavjee, antropóloga e especialista em assuntos islâmicos explica porque é que associamos o islão aos atentados. Faranaz diz que ainda há uma grande "ignorância sobre o fenómeno religioso" e que devemos ter em conta que o mundo muçulmano "não é homogénero". A antropóloga diz que objetivo do Daesh é criar "o terror" e o "pânico" e que os media têm contribuído para isso.

  • França tem uma guerra para travar contra o Daesh
    3:09

    Mundo

    Nunca a ameaça terrorista islâmica à Europa foi tão grande. Estas são as palavras de François Hollande, que se deslocou à Normandia, onde dois homens armados invadiram uma igreja e mataram um padre. O Presidente francês admitiu que o Daesh declarou uma guerra e afirma que esta tem de ser vencida através de quaisquer meios. Contudo, lembra que os meios têm de ser dentro da lei, uma vez que é isso que faz uma democracia. Já o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy afirma que a alma de França foi atingida e insiste em medidas urgentes. O Papa Francisco reagiu logo após o atentado, condenando radicalmente o "ataque bárbaro".

  • Daesh está a utilizar civis como escudo humano

    Daesh

    O autoproclamado Estado Islâmico está a utilizar civis como escudo humano na Síria, denunciou um responsável militar norte-americano, numa altura em que a coligação tem sido acusada de matar dezenas de civis em conflitos perto de Manbij.

  • Tudo leva a crer que o terrorismo mudou de estratégia
    2:54

    Mundo

    António Goucha Soares acredita que os grupos terroristas mudaram de estratégia. O especialista em assuntos internacionais entende que grupos como o Daesh perceberam que os danos causados através deste tipo de ações é maior que uma guerra convencional.

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.