sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Polícia espanhola detém dois irmãos marroquinos por colaborar com Daesh

(Arquivo)

A Guarda Civil espanhola deteve em Girona, Catalunha, dois irmãos marroquinos acusados de colaborar com uma estrutura permanente de financiamento da organização terrorista islamita Daesh, anunciou hoje o Ministério da Administração Interna do país vizinho.

A organização utilizava identidades falsas para enviar fundos à estrutura financeira do Daesh na Síria e no Iraque, que depois eram usados para pagar a deslocação de operacionais para zonas de conflito.

A investigação, que contou com a colaboração do Centro Nacional de Inteligência, é a primeira em Espanha em que se obtêm provas concretas que demonstram o uso de remessas de dinheiro da Europa para facilitar as operações do Daesh.

Os detidos são acusados do delito de financiamento de atividades terroristas e de colaboração com um grupo terrorista.

Os investigadores constataram que esta atividade proporcionava permanentemente apoio financeiro ao grupo terrorista.

O Ministério dos Assuntos Internos destaca a importância que tem a interrupção dos circuitos de captação e envio de jihadistas, assim como os fluxos financeiros que permitem a manutenção de estruturas e o desenvolvimento de operações terroristas na Europa.

Lusa

  • Porque associamos o Islão aos atentados?
    7:55

    FB Instant Articles

    Depois dos vários atentados que a Europa tem sofrido, Faranaz Keshavjee, antropóloga e especialista em assuntos islâmicos explica porque é que associamos o islão aos atentados. Faranaz diz que ainda há uma grande "ignorância sobre o fenómeno religioso" e que devemos ter em conta que o mundo muçulmano "não é homogénero". A antropóloga diz que objetivo do Daesh é criar "o terror" e o "pânico" e que os media têm contribuído para isso.

  • França tem uma guerra para travar contra o Daesh
    3:09

    Mundo

    Nunca a ameaça terrorista islâmica à Europa foi tão grande. Estas são as palavras de François Hollande, que se deslocou à Normandia, onde dois homens armados invadiram uma igreja e mataram um padre. O Presidente francês admitiu que o Daesh declarou uma guerra e afirma que esta tem de ser vencida através de quaisquer meios. Contudo, lembra que os meios têm de ser dentro da lei, uma vez que é isso que faz uma democracia. Já o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy afirma que a alma de França foi atingida e insiste em medidas urgentes. O Papa Francisco reagiu logo após o atentado, condenando radicalmente o "ataque bárbaro".

  • Daesh está a utilizar civis como escudo humano

    Daesh

    O autoproclamado Estado Islâmico está a utilizar civis como escudo humano na Síria, denunciou um responsável militar norte-americano, numa altura em que a coligação tem sido acusada de matar dezenas de civis em conflitos perto de Manbij.

  • Tudo leva a crer que o terrorismo mudou de estratégia
    2:54

    Mundo

    António Goucha Soares acredita que os grupos terroristas mudaram de estratégia. O especialista em assuntos internacionais entende que grupos como o Daesh perceberam que os danos causados através deste tipo de ações é maior que uma guerra convencional.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".