sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Ajuda humanitária chega à periferia de Damasco e norte de Homs na Síria

© Omar Sanadiki / Reuters

Dois comboios humanitários chegaram hoje à zona da periferia de Damasco e à localidade de Al Rastan, no norte da província central síria de Homs, anunciou o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) em comunicado.

O CICV indicou que 12 camiões levaram alimentos e material para tratamento de água para 12 mil famílias em Yalda, Babila e Beit Sahem, numa ação organizada com o Crescente Vermelho sírio.

As equipas humanitárias pretendem também reabrir uma clínica de reabilitação para os residentes destas áreas.

Yalda, Babila e Beit Sahem ficam situadas em redor do campo de refugiados palestinianos de Al Yarmuk, a apenas cinco quilómetros do centro da capital síria, numa zona onde está presente o grupo extremista Daesh.

Estas localidades estão sob cerco das tropas governamentais desde 2013, que combatem o Exército Livro Sírio (ELS) e outras organizações como o Exército do Islão, de acordo com o grupo Siege Watch, que monitoriza os cercos na Síria.

O CICV informou que um outro comboio, com alimentos, equipamento médico, produtos de higiene e material de saneamento, entrou em Al Rastan para prestar assistência a cerca de 120 mil pessoas.

Esta operação contou com a colaboração da ONU e do Crescente Vermelho sírio.

Em Al Rastan, sob cerco governamental desde janeiro passado, residem combatentes de forças rebeldes.

Cerca de 600 mil pessoas vivem em locais cercados maioritariamente pelas forças do regime de Bashar al-Assad, de acordo com dados da ONU.

A guerra civil na Síria começou em 2011.


Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".