sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Primeiros ataques aéreos dos EUA contra o Daesh na Líbia

Ataque contra posições do Daesh em Sirte a 15 de julho

© Goran Tomasevic / Reuters

O Pentágono confirmou hoje que a aviação militar norte-americana conduziu hoje os primeiros ataques contra posições do Daesh em Sirte, na Líbia a pedido do Governo de Tripoli.

"A pedido do governo de união nacional líbio, as Forças Armadas dos Estados Unidos realizaram ataques de precisão contra alvos do [grupo jihadista] Daesh em Sirte, na Líbia", anunciou em comunicado o porta-voz do Pentágono, Peter Cook.

Os ataques contra Sirte, bastião do Daesh na Líbia, "vão continuar", acrescentou.

O primeiro-ministro líbio, Fayez al-Sarraj, anunciou sensivelmente à mesma hora o lançamento dos ataques numa intervenção transmitida pela televisão, acrescentando que eles "infligiram pesadas perdas" aos jihadistas.

O governo líbio lançou em maio uma operação para recuperar Sirte, cidade natal do ditador líbio morto na revolução de 2011, Muammar Kadhafi, controlada pelos jihadistas desde junho de 2015.

A queda de Sirte, 450 quilómetros a leste de Tripoli, seria um importante revés para aquele grupo jihadista, que tem perdido território na Síria e no Iraque devido aos ataques de uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos.

A operação líbia para recuperar o controlo de Sirte fez cerca de 280 mortos e 1.500 feridos entre as forças pró-governamentais, segundo fontes médicas citadas pela agência France Presse.

As forças pró-governamentais são essencialmente constituídas por milícias da zona ocidental da Líbia, criadas durante a revolução de 2011.

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.