sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Primeiros ataques aéreos dos EUA contra o Daesh na Líbia

Ataque contra posições do Daesh em Sirte a 15 de julho

© Goran Tomasevic / Reuters

O Pentágono confirmou hoje que a aviação militar norte-americana conduziu hoje os primeiros ataques contra posições do Daesh em Sirte, na Líbia a pedido do Governo de Tripoli.

"A pedido do governo de união nacional líbio, as Forças Armadas dos Estados Unidos realizaram ataques de precisão contra alvos do [grupo jihadista] Daesh em Sirte, na Líbia", anunciou em comunicado o porta-voz do Pentágono, Peter Cook.

Os ataques contra Sirte, bastião do Daesh na Líbia, "vão continuar", acrescentou.

O primeiro-ministro líbio, Fayez al-Sarraj, anunciou sensivelmente à mesma hora o lançamento dos ataques numa intervenção transmitida pela televisão, acrescentando que eles "infligiram pesadas perdas" aos jihadistas.

O governo líbio lançou em maio uma operação para recuperar Sirte, cidade natal do ditador líbio morto na revolução de 2011, Muammar Kadhafi, controlada pelos jihadistas desde junho de 2015.

A queda de Sirte, 450 quilómetros a leste de Tripoli, seria um importante revés para aquele grupo jihadista, que tem perdido território na Síria e no Iraque devido aos ataques de uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos.

A operação líbia para recuperar o controlo de Sirte fez cerca de 280 mortos e 1.500 feridos entre as forças pró-governamentais, segundo fontes médicas citadas pela agência France Presse.

As forças pró-governamentais são essencialmente constituídas por milícias da zona ocidental da Líbia, criadas durante a revolução de 2011.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18