sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Forças governamentais da Líbia avançam em bastião do Daesh

Reuters

As forças governamentais líbias avançaram hoje no centro de Sirte, principal feudo do Daesh na Líbia, depois dos primeiros ataques aéreos norte-americanos na segunda-feira contra posições dos jihadistas na cidade.

Os combatentes que apoiam o governo de unidade nacional ocuparam o bairro central de al-Dollar após confrontos nos quais morreram cinco dos seus elementos e 17 outros ficaram feridos, informaram aquelas forças nas redes sociais.

O governo líbio sediado em Tripoli lançou em maio uma operação para recuperar Sirte, que os jihadistas controlam desde junho de 2015.

A queda daquela cidade costeira, a 450 quilómetros a leste de Tripoli, constituiria um importante revés para o Daesh, que também tem registado derrotas na Síria e no Iraque.

As forças governamentais entraram em Sirte a 09 de junho e alcançaram bairros no norte e centro da cidade, tendo os jihadistas respondido com carros armadilhados e atiradores furtivos.

Mais de 300 combatentes pró-governamentais morreram e mais de 1.500 ficaram feridos desde o início da batalha por Sirte, segundo fontes médicas em Misrata referidas pela agência France Presse.

As forças pró-governamentais são essencialmente constituídas por milícias da zona ocidental da Líbia, criadas durante a revolução de 2011 que derrubou o ditador Muammar Kadhafi.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.