sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Rússia apoia bombardeamentos contra Daesh na Líbia

Uma jornalista corre com um rebelde para evitar os snipers do Daesh, em Alepo na Síria. (outubro de 2014)

© Jalal Al-mamo / Reuters

​A Rússia apoiou a realização de ataques aéreos contra combatentes do Daesh, embora tenha advertido que estas operações devem respeitar estritamente o direito internacional.

"A Rússia sempre defendeu a necessidade de ações decisivas para a aniquilação do Daesh e de outros grupos terroristas, estejam onde estiverem, em estrita consonância com as normas do direito internacional", indicou em comunicado o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, publicado depois de os Estados Unidos terem anunciado o início de bombardeamentos com os combatentes na Líbia.

Todos os países "que lutam contra o terrorismo devem coordenar os seus esforços", acrescentou.

Pouco depois dos primeiros ataques aéreos norte-americanos contra o bastião do Daesh na zona de Sirte, cidade localizada entre Tripoli e Benghazi, o embaixador russo na Líbia, Ivan Molotkov, questionou a legalidade das ações de Washington.

"Do ponto de vista legal, penso que não tinham esse direito", respondeu Molotkov à pergunta de um jornalista sobre se os Estados Unidos deviam ter pedido uma resolução do Conselho de Segurança da ONU antes de bombardear território líbio.

Washington iniciou a campanha militar contra o Estado Islâmico a pedido do Governo da Autoridade Nacional (GAN), um dos três executivos existentes no país e único reconhecido pela ONU.

Desde a queda do regime de Muammar Kadhafi, a Líbia é palco do caos e da guerra civil, com três executivos a disputar o controlo do país: um em Tripoli, que a ONU considera rebelde, outro em Tobruk, reconhecido por vários países, e um terceiro, denominado GAN, apoiado pela ONU e UE.

O caos permitiu que vários grupos extremistas, especialmente o ramo líbio do Daesh, lutem por poder e território no país.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.