sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh também reivindica atentado no Paquistão

O Daesh afirmou que o atentado que esta segunda-feira fez 70 mortos na cidade paquistanesa de Quetta foi perpetrado por um dos seus membros, segundo a agência Amaq, órgão de propaganda do Daesh.

"Um 'kamikaze' do (grupo) Estado Islâmico detonou o seu colete de explosivos numa concentração de funcionários do Ministério da Justiça e da polícia paquistanesa na cidade de Quetta", indicou a Amaq.

Horas antes, o mesmo atentado, que fez também dezenas de feridos, tinha já sido reivindicado pelo grupo Jamaatul Ahara, um grupo ligado à Al-Qaeda, uma fação paquistanesa do grupo radical islâmico talibã.

O bombista suicida fez-se explodir quando 200 pessoas, incluindo muitos advogados e jornalistas, se encontravam diante do Hospital Civil de Quetta, após o assassínio, poucas horas antes, do presidente da Ordem dos Advogados da província.

Um porta-voz do Jamaatul Ahara disse à imprensa, por correio eletrónico, que a sua fação "reivindica a responsabilidade" pelo ataque e ainda prometeu mais ataques "até à imposição de um regime islâmico no Paquistão".

Depois da explosão, as autoridades declararam o estado de emergência em todos os hospitais da cidade.

Nos últimos meses, vários advogados foram atacados na província do Baluchistão, região no sudoeste do Paquistão onde atuam grupos armados separatistas, que tomam como alvos as forças de segurança e outras entidades do Estado, além de fações talibãs e grupos extremistas islâmicos.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.