sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Rússia usa pela primeira vez base iraniana para atacar posições do Daesh na Síria

No ataque aéreo, participaram bombardeiros estratégicos Tu-22M3, iguais ao da imagem, e Su-34, indicou o Ministério de Defesa russo.

© RIA Novosti / Reuters

Bombardeiros russos estacionados na base aérea iraniana de Hamadan, no oeste do Irão, atacaram hoje posições de extremistas islâmicos na Síria, informou o ministério da Defesa russo.

No ataque aéreo, o primeiro lançado pela Rússia a partir de território iraniano, participaram bombardeiros estratégicos Tu-22M3 e Su-34, indicou o ministério em comunicado.

Os aviões russos concentraram os ataques nas províncias de Alepo, Deir Ezzor e Idleb, onde destruíram cinco grandes arsenais, um campo de treino, três postos de comando e mataram "um grande número de guerrilheiros", acrescentou.

Os bombardeiros foram acompanhados na missão por caças russos, que saíram do aeródromo sírio de Khmeimim.

"Todos os aviões russos regressaram às bases depois de terminarem a missão com êxito", disse um porta-voz da Defesa à agência noticiosa russa Interfax.

O destacamento dos aviões russos na base de Hamadan vai permitir aos bombardeiros, que anteriormente partiam do sul da Rússia, reduzir em 60% o tempo de voo até aos objetivos e aumentar a carga de bombas.

A distância entre a base de Hamadan e a zona central da Síria é de cerca de 900 quilómetros.

De acordo com um órgão de comunicação libanês, a Rússia tem pelo menos três bombardeiros estratégicos destacados na base iraniana.

Na passada semana, os bombardeiros estratégicos russos efetuaram três ataques contra as posições do Daesh em várias regiões sírias.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite