sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Cerca de 70 mil civis retidos em cidade do norte do Iraque pelo Daesh

Cerca de 70 mil civis encontram-se retidos na localidade de Al Qayara, no norte do Iraque, pelo Daesh, disse hoje à agência espanhola EFE um autarca da zona.

Os jihadistas estão a impedir os civis de partir para utilizá-los como escudos humanos durante a iminente ofensiva das tropas iraquianas para libertar a cidade, explicou Saleh Al Yaburi.

O exército iraquiano, apoiado por perto de 700 membros das milícias, bloqueou os acessos e prepara-se para o assalto a este importante reduto dos jihadistas, situado a 55 quilómetros a sul da cidade de Mosul, na província de Ninive.

As forças governamentais lograram libertar várias localidades na periferia de Al Qayara nos últimos dias, faltando apenas tomar a cidade, relatou um responsável militar.

Com o objetivo de atrasar a ofensiva, o Daesh queimou poços de petróleo para dificultar, com o fumo, as operações da aviação militar iraquiana.

Al Qayara é a cidade importante para a estratégia das forças iraquianas para libertar a província de Ninive e a sua capital, Mosul.

Os gases tóxicos da queima de petróleo já causaram a morte de 30 civis por asfixia, segundo fontes locais.

Mosul está sob controlo do Daesh desde junho de 2014, quando a organização terrorista declarou um califado nos territórios iraquianos e sírios que conquistou.

Com Lusa

  • As escravas do século XXI
    23:08

    Reportagem Especial

    Em dois anos o Daesh já cometeu milhares de crimes de guerra, desde a declaração do seu Califado na Síria e no Iraque. O povo Yazidi é das principais vítimas. Milhares de pessoas assassinadas, normalmente decapitadas, e quase sete mil mulheres e crianças foram transformadas em escravas e vendidas nos mercados. Henrique Cymerman esteve no norte do Iraque com escravas sexuais libertadas recentemente, que apresentam um testemunho do terror.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.