sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

França bombardeia instalações militares do Daesh em Raqa

Caças franceses bombardearam no domingo instalações militares do Daesh na cidade síria de Raqa, anunciou o Ministério da Defesa francês, que indicou que um centro de armazenamento de armamento pesado foi destruído pelos mísseis.

Em comunicado, o ministério precisou que nestes ataques participaram quatro caças Rafale, outros quatro Mirage 2000, bem como um avião de patrulha Atlantique 2, utilizado para detetar objetos.

Os aviões de combate lançaram "uma dezena de mísseis de cruzeiro SCALP" que alcançaram o complexo militar "situado no centro do território controlado pelo grupo terrorista", acrescentou.

Esta ação realizou-se "depois de uma intensa semana de ataques das aeronaves francesas, parte da coligação internacional, em apoio às operações terrestres das forças iraquianas e curdas perto de Mossul, no Iraque", precisa o texto.

Durante essa semana, os bombardeamentos destruíram, segundo o Departamento da Defesa francês, vários postos de combate, esconderijos de armas, plantas de fabrico de artefactos explosivos e de armamento pesado", bem como contribuíram "para o trabalho de preparação das batalhas para a toma de Mossul no Iraque e de Raqa na Síria".

Os caças franceses efetuaram cerca de 800 bombardeamentos na Síria e no Iraque no âmbito das suas missões contra o Estado Islâmico, integradas na coligação internacional liderada pelos Estados Unidos.

Lusa

  • Bruno de Carvalho garante empenho do Sporting
    0:52

    Desporto

    Bruno de Carvalho diz que o Sporting continua empenhado apesar do momento que o clube atravessa. O presidente leonino discursou ao início da tarde no núcleo Leões da Madeira, no Funchal, onde o Sporting joga hoje com o Marítimo.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.