sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

EUA admitem mortos civis em raides contra Daesh na Síria

O Pentágono disse na terça-feira que lançou vários raides aéreos contra as forças do grupo radical Estado Islâmico na Síria nos últimos dias e admitiu que alguns "poderão ter resultado na morte de civis".

Os raides tiveram lugar nos dias 07, 10 e 12 de setembro, de acordo com um comunicado do comando militar norte-americano no Médio Oriente (CENTCOM).

Não foram dadas informações sobre o número de mortos ou feridos.

A 10 setembro, "perto de Ar Raqqah, na Síria, um ataque contra um alvo do Estado Islâmico pode ter resultado na morte de civis perto do local" onde ocorreu o bombardeamento, informou o CENTCOM.

A 07 de setembro, durante um bombardeamento perto de Dayz Az Zawr, na Síria, contra um alvo do Estado Islâmico, "o que parece ser um veículo não militar entrou na área visada depois de o ataque ter sido lançado pelo aparelho em voo", disse o CENTCOM.

Um incidente que parece ter-se repetido a 12 de setembro, desta vez perto da cidade de Al-Chaddadeh, na província de Hassake (nordeste), acrescentou, sem mais detalhes.

E a 10 de setembro, um ataque contra o Estado Islâmico nos arredores de Raqa, reduto do grupo 'jihadista' na Síria, "pode ter resultado na morte de civis perto do local", informou.

Os Estados Unidos lideram uma coligação internacional contra o Estado Islâmico há dois anos na Síria e no Iraque.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.