sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

EUA admitem mortos civis em raides contra Daesh na Síria

O Pentágono disse na terça-feira que lançou vários raides aéreos contra as forças do grupo radical Estado Islâmico na Síria nos últimos dias e admitiu que alguns "poderão ter resultado na morte de civis".

Os raides tiveram lugar nos dias 07, 10 e 12 de setembro, de acordo com um comunicado do comando militar norte-americano no Médio Oriente (CENTCOM).

Não foram dadas informações sobre o número de mortos ou feridos.

A 10 setembro, "perto de Ar Raqqah, na Síria, um ataque contra um alvo do Estado Islâmico pode ter resultado na morte de civis perto do local" onde ocorreu o bombardeamento, informou o CENTCOM.

A 07 de setembro, durante um bombardeamento perto de Dayz Az Zawr, na Síria, contra um alvo do Estado Islâmico, "o que parece ser um veículo não militar entrou na área visada depois de o ataque ter sido lançado pelo aparelho em voo", disse o CENTCOM.

Um incidente que parece ter-se repetido a 12 de setembro, desta vez perto da cidade de Al-Chaddadeh, na província de Hassake (nordeste), acrescentou, sem mais detalhes.

E a 10 de setembro, um ataque contra o Estado Islâmico nos arredores de Raqa, reduto do grupo 'jihadista' na Síria, "pode ter resultado na morte de civis perto do local", informou.

Os Estados Unidos lideram uma coligação internacional contra o Estado Islâmico há dois anos na Síria e no Iraque.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.