sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh confirma morte de ministro da Informação

O grupo autoproclamado Estado Islâmico (EI) confirmou esta segunda-feira a morte do seu "ministro da Informação", Wa'il Adil Hasan Salman al-Fayad, que o Pentágono já tinha anunciado em setembro.

Num comunicado, o EI confirma o "mártir" d'Abu Mohamed el-Furqan, utilizando assim o seu nome de guerra.

O homem é apresentado como o "emir" do grupo responsável pelos meios de comunicação social, sem precisar nem as circunstâncias nem o local ou a data da sua morte.

O ministro da Defesa norte-americano anunciara que al-Fayad tinha sido morto num bombardeamento aéreo da coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos, a 7 de setembro, perto de Raqqa, na Síria.

De acordo com o porta-voz do Pentágono, Peter Cook, o alto responsável do EI tinha "supervisionado" a produção de vídeos exibindo torturas e execuções, amplamente difundidos pelos jihadistas nas redes sociais.

O homem era um "colaborador próximo" do número dois do grupo jihadista, Abu Mohamed al-Adnani, morto num ataque da coligação a 30 de agosto, e era igualmente um "membro importante" da direção da EI, a 'shura', de acordo com o porta-voz.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.