sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh confirma morte de ministro da Informação

O grupo autoproclamado Estado Islâmico (EI) confirmou esta segunda-feira a morte do seu "ministro da Informação", Wa'il Adil Hasan Salman al-Fayad, que o Pentágono já tinha anunciado em setembro.

Num comunicado, o EI confirma o "mártir" d'Abu Mohamed el-Furqan, utilizando assim o seu nome de guerra.

O homem é apresentado como o "emir" do grupo responsável pelos meios de comunicação social, sem precisar nem as circunstâncias nem o local ou a data da sua morte.

O ministro da Defesa norte-americano anunciara que al-Fayad tinha sido morto num bombardeamento aéreo da coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos, a 7 de setembro, perto de Raqqa, na Síria.

De acordo com o porta-voz do Pentágono, Peter Cook, o alto responsável do EI tinha "supervisionado" a produção de vídeos exibindo torturas e execuções, amplamente difundidos pelos jihadistas nas redes sociais.

O homem era um "colaborador próximo" do número dois do grupo jihadista, Abu Mohamed al-Adnani, morto num ataque da coligação a 30 de agosto, e era igualmente um "membro importante" da direção da EI, a 'shura', de acordo com o porta-voz.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.