sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Comissário alerta para influxo de jihadistas na Europa caso o Iraque recupere Mossul ao Daesh

© Thaier Al-Sudani / Reuters

O comissário europeu para a Segurança advertiu hoje que a Europa tem de estar preparada para um novo influxo de extremistas do Daesh caso as forças iraquianas recuperem a cidade de Mossul, bastião dos jihadistas.

"O retomar [do controlo] do reduto do Daesh no norte do Iraque, Mossul, pode levar a um regresso à Europa de combatentes violentos do Daesh", disse Julian King ao diário alemão Die Welt.

Para o comissário, mesmo o retorno de meia dúzia de jihadistas representaria uma "série ameaça" para a qual a Europa se deve preparar.

As forças iraquianas têm avançado no terreno no âmbito de uma ofensiva que visa recuperar o controlo de Mossul e desferir um golpe significativo no "califado" do movimento extremista Daesh na cidade, onde foi declarado, aliás, há dois anos.

As forças iraquianas, apoiadas pelos 60 países da coligação internacional contra o Daesh, iniciaram na segunda-feira uma vasta ofensiva para recuperar a segunda maior cidade do Iraque, situada no norte, o último grande bastião do grupo extremista no país.

Cerca de 30.000 efetivos das forças federais iraquianas - exército, polícia, unidade antiterrorismo - estão envolvidos na operação.

Há cerca de 1,5 milhões de habitantes ainda em Mossul.

A ONU teme uma deslocação massiva da população para fora da cidade e uma crise humanitária com centenas de milhares de refugiados.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras