sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

EUA dizem que "Portugal tem tido êxito" a controlar combatentes estrangeiros do Daesh

Um responsável da administração Trump para a luta contra o Daesh considerou esta segunda-feira que "Portugal tem tido êxito" a controlar o regresso dos combatentes terroristas estrangeiros, um problema de máxima prioridade.

"O fluxo de regresso dos combatentes terroristas estrangeiros é um assunto de enorme preocupação para nós e o desafio que se coloca é saber o que os diferentes países estão preparados para fazer a esse respeito", declarou o tenente-general do Exército norte-americano Terry Wolff, enviado-especial adjunto do Presidente dos Estados Unidos para a coligação global contra o Daesh.

Wolff falava em Lisboa numa conferência organizada pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) e pelo Georgetown Clube Portugal, com o apoio da embaixada norte-americana em Lisboa.

"A coligação internacional contra o Daesh pode travar os combatentes estrangeiros de duas maneiras: pode matá-los se eles estiverem no campo de batalha, mas em última análise cerca de 20% vão sair do Iraque e da Síria e vão para um lado qualquer, incluindo para casa", disse o tenente-general.

Por isso mesmo, salientou o responsável, a batalha global que existe agora "tem menos a ver com operações militares e muito mais com o acompanhamento do regresso dos combatentes estrangeiros, com a forma como os países partilham informação - em alguns casos informação secreta (intelligence) - e como é que os países lidam com este problema nos seus tribunais, respeitando o Estado de Direito".

Em declarações à Lusa, Terry Wolff salientou que "Portugal tem feito o que é preciso" e tem tido "êxito" na monitorização dos combatentes terroristas estrangeiros.

"Sei que os números de portugueses que se deslocam para a Síria ou Iraque para combater pelo Daesh são muito, muito baixos. (...) Mas há sempre uma razão pela qual vocês têm tido êxito aqui: em parte deve-se à integração da fé muçulmana, que tem sido boa. Por isso, por causa dessa inclusão, o número de pessoas que decidiram ir para a Síria ou para o Iraque lutar é baixo", adiantou o tenente-general norte-americano.

Para Terry Wolff - que está em funções desde novembro de 2015, ainda com a administração Obama - "as coisas boas que acontecem em Portugal diminuem as possibilidades de as pessoas quererem sair daqui para ir lutar pelo Daesh".

O militar destacou ainda o papel "fundamental" das comunidades muçulmanas em Portugal, que "estabelecem as normas e as regras do que é ou não é aceitável na fé".

O responsável norte-americano enalteceu também a "contribuição excecional" de Portugal na coligação contra o Daesh, nomeadamente no treino prestado pelos militares portugueses às forças de segurança iraquianas.

"Alguns países estão envolvidos na luta cinética, por outras palavras estão a dar apoio de combate, a lançar bombas, a disparar mísseis ou artilharia em apoio das forças de segurança iraquianas ou das forças sírias. E cerca de 19 países estão a treinar as forças de segurança iraquianas: foi isso que Portugal decidiu que queria fazer. E esta é uma contribuição excecional", disse Terry Wolff.

Lusa

  • "Sobre este pântano, não é possível jogar futebol seriamente na próxima época"
    4:46

    Opinião

    David Borges esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, da SIC Notícias, onde analisou as acusações do FC Porto ao Benfica, no caso dos e-mails. O comentador da SIC disse que falta saber se "tudo é verdade" e se os documentos são verdadeiros, o que compete ao Ministério Público apurar. David Borges defendeu ainda que era "bom" que a investigação decorresse de forma rápida e profunda; e não acredita que perante a polémica, se consiga jogar "futebol seriamente", na próxima época.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.