sicnot

Perfil

Daesh

Coligação liderada pelos EUA não confirma morte de líder do Daesh

Coligação liderada pelos EUA não confirma morte de líder do Daesh

A Rússia diz ter abatido o líder do Daesh mas o porta-voz norte-americano para a coligação anti-Estado Islâmico disse, esta sexta-feira, não poder confirmar as notícias da morte do líder do grupo extremista, Abu Bakr al-Baghdadi.

A declaração surgiu depois de a Rússia ter reclamado a morte de al-Bahdadi durante um ataque aéreo que atingiu uma reunião de líderes do Daesh, fora da base do grupo na Síria.

Numa declaração por e-mail, o porta-voz, Ryan Dillon, afirmou sexta-feira: "Não podemos confirmar estas informações neste momento".

Segundo o Ministério da Defesa russo, o líder do Daesh foi morto no final de maio juntamente com outros altos dirigentes do grupo.

Se se confirmar esta morte, será um grande sucesso para a Rússia, que lidera uma ação militar em apoio ao Presidente sírio, Bashar al-Assad, desde setembro de 2015.

A mesma fonte referiu que avisou os Estados Unidos do ataque, acrescentando que entre os líderes do Daesh estavam Abi al-Khadji al-Mysri, Ibrahim al-Naef al-Khadj e Suleiman al-Shauah.

Com Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50