Daesh

Daesh esteve mais de 24 horas sem publicar propaganda na Internet

Thaier Al-Sudani

As publicações do grupo jihadista Daesh nas suas páginas de propaganda na Internet foram interrompidas durante mais de 24 horas entre quarta-feira e hoje, um silêncio "sem precedentes" segundo um perito.

A organização jihadista, que utiliza sobretudo o portal encriptado Telegram para difundir informações diárias sobre as suas operações militares e reivindicar ataques, não publicou qualquer mensagem entre as 9:00 de quarta-feira e as 10:01 de hoje.

"A redução na produção de propaganda do Daesh foi notada nas últimas semanas", afirmou Charlie Winter, investigador no Centro internacional de estudos sobre a radicalização e a violência política. "Mas nunca registou um silêncio completo em 24 horas", disse em declarações à agência noticiosa France-Presse (AFP).

Os serviços Telegram do Daesh publicam geralmente mais de uma dezena de mensagens por dia, desde registos áudio em diversas línguas sobre os "sucessos" militares, até fotos da vida quotidiana de civis que vivem no "califado" autoproclamado pelos jihadistas. No entanto, na terça-feira, o grupo apenas esteve ativo em linha durante 30 minutos.

A coligação internacional anti-jihadista liderada pelos Estados Unidos tem privilegiado como alvos os membros do Daesh ativos na propaganda do grupo e que, segundo Winter, poderá explicar a redução da sua atividade mediática.

"A infraestrutura dos media do Daesh sofreu um sério golpe nos últimos meses e, por isso, as coisas estão em vias de mudar", disse.

O Daesh poderá estar em vias de relocalizar geograficamente as suas infraestruturas ou os seus membros, sublinha ainda Winter. Mas pode também estar a tentar organizar uma nova estratégia mediática, já que o grupo está em transformação e privado de base territorial, pode tornar-se numa organização rebelde clandestina.

Com Lusa e AFP

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34
  • "Não deveria ter aceitado jogar naquela final"
    1:40

    Desporto

    Jorge Jesus abordou os incidentes de Alcochete e da final da Taça de Portugal, pela primeira vez. Em entrevista à Bola TV, o treinador português, agora no Al Hilal da Arábia Saudita, falou do medo que viveu naqueles momentos. Jorge Jesus disse também que não fecha a porta a nenhum clube em Portugal.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • Marcelo volta a levantar dúvidas sobre 2.º mandato
    2:11
  • Marcelo acredita na livre circulação no espaço da CPLP
    0:45

    País

    O Presidente da República que avançar na proposta da mobilidade de cidadãos no espaço da CPLP. Na noite de terça-feira, no discurso que fez na abertura da Cimeira de Cabo Verde, Marcelo não esqueceu as mudanças no sentido da democracia e valores que se concretizaram desde a última cimeira, em Brasília, há dois anos.

  • Veleiro preso em cabos elétricos na Ria de Aveiro
    1:39

    País

    O mastro de um veleiro embateu e ficou preso num cabo elétrico. O incidente, sem consequências para a tripulação de nacionalidade dinamarquesa ocorreu, ao fim da tarde de terça-feira, na ria de Aveiro.