sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Campanha começa em Espanha com eleitorado demasiado dividido

A campanha para as eleições gerais de Espanha arranca oficialmente hoje, a 17 dias da votação, com os quatro principais partidos - PP, PSOE, Ciudadanos e Podemos - convencidos, pelas sondagens, de que nenhum conseguirá sozinho uma maioria absoluta.

Pedro Sanchez, líder do PSOE, partido que segundo as sondagens alcançaria 20,8% dos votos.

Pedro Sanchez, líder do PSOE, partido que segundo as sondagens alcançaria 20,8% dos votos.

© Susana Vera / Reuters

As sondagens mais recentes (o último estudo do CIS, o Centro de Investigações Sociológicas foi divulgado na manhã de quinta-feira) indicam o fim da alternância do poder entre governos compostos exclusivamente ou pelo PP ou pelos socialistas do PSOE.

Pelo contrário, terão de fazer acordos pós-eleitorais (inéditos na democracia espanhola) para a votação de investidura do presidente do Governo (até aqui sempre do partido mais votado) ou mesmo para formar Governo.

O estudo do CIS aponta para uma vitória do PP de Mariano Rajoy, no poder desde 2011, mas longe dos 175 deputados que garantem a maioria absoluta. Os "populares" obteriam cerca de 28,6% das intenções de voto (entre 120 e 128 deputados), enquanto os socialistas do PSOE, liderados pelo estreante Pedro Sánchez arrecadaria 20,8% (entre 77 e 89 assentos).

O PP, que em 2011 tinha obtido uma maioria absoluta confortável de 44% (e 187 deputados) paga, assim, o preço de quatro anos de políticas de austeridade - com um resgate bancário pelo meio, em 2012, ainda que não tenha chegado a ter um programa de assistência em toda a regra, como em Portugal - vários casos de corrupção no partido e os números do desemprego (com a taxa de desemprego a baixar, mas também a taxa de pessoas empregadas, devido à queda da população ativa).

Com o PSOE na calha para repetir (e aumentar) o pior resultado da sua história desde a Transição (em 2011 já o tinha sido, quando obteve 110 deputados), o papel principal vai para o Ciudadanos, de Albert Rivera.

Originário da Catalunha, o Ciudadanos ganhou músculo a nível nacional - apresentando-se como partido do centro-direita, sem a "mácula" da corrupção dos partidos tradicionais e integrados há dezenas de anos nas estruturas do poder - e, sobretudo, sem as mensagens mais radicais do outro partido emergente, o Podemos.

O Ciudadanos poderá estrear-se no Congresso dos Deputados (Parlamento) com mais de 60 deputados (entre 63 e 66 segundo o CIS), a "morder os calcanhares" ao PSOE e a assumir-se como o "partido charneira",instrumental para eventuais acordos com a direita ou mesmo com a esquerda.

Presença constante nas páginas dos jornais, o caso de Portugal (acordo entre partidos de esquerda para afastar a direita conservadora, que tinha obtido uma vitória sem maioria absoluta) poderá servir de espelho a muitos eleitores espanhóis (para um lado e para outro).

Rivera, um catalão que se opõe à independência da Catalunha, já disse estar disponível para acordos de Governo, mas sublinha que o Ciudadanos vai impor condições, uma das quais poderá ser mesmo o afastamento de Rajoy.

Quanto ao Podemos, de Pablo Iglesias, também se estreará no hemiciclo espanhol no seguimento das eleições de 20 de dezembro. No entanto, está longe das intenções de voto do início do ano -- quando as sondagens apontavam o partido da bandeira púrpura a disputar o primeiro lugar. O último trabalho do CIS indica que o Podemos conseguirá 15,7%, o que representa entre 45 e 49 deputados, mas incluindo as suas "marcas brancas" nas regiões: o Compromis, o En Comú Podem e o galego En Marea.

Com a economia espanhola a crescer perto de 3% no final do ano e o desemprego perto dos 20%, Rajoy apostará na cartada da recuperação económica e da estabilidade, da unidade de Espanha (face ao movimento independentista catalão) e mão firme na luta contra o terrorismo jihadista.

Os partidos da oposição contrapõem com a necessidade de reformas laborais de fundo, a defesa do Estado social, os casos de corrupção que afetam o PP e alguns dos seus antigos ministros e autarcas, e a aparente falta de diálogo do presidente do Governo quanto às autonomias.

Um tema a sobrevoar toda a campanha poderá ser a guerra contra o terrorismo: deverá Espanha enviar ou não tropas ou aviões para combater na Síria ou ajudar a França em África (Mali)? Enquanto PP e PSOE preferem remeter o assunto para depois - e sempre com o Congresso a decidir - o Ciudadanos é favor de uma intervenção e o Podemos radicalmente contra.

No caso do PP há um antecedente relacionado com intervenções militares: em 2004, o apoio à guerra no Iraque foi um dos assuntos que custou a reeleição a José Maria Aznar.

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • "Conseguimos resultados e provámos que eles não tinham razão"
    1:01

    País

    António Costa lançou esta segunda-feira um ataque à oposição. O primeiro-ministro, que passou pelas jornadas parlamentares do PS, que decorrem em Coimbra, disse que o Governo conseguiu nestes dois anos mostrar à direita que tinha razão no caminho escolhido. Costa falou ainda de Mário Centeno no Eurogrupo e destacou a "estabilidade" que existe dentro do grupo parlamentar socialista num apontar de dedo aos sociais-democratas.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC