sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Socialistas felicitam Rajoy e dizem que cabe ao PP "tentar formar Governo"

O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, felicitou hoje o PP pela vitória nas eleições gerais espanholas e considerou que cabe, em primeiro lugar, ao partido de Mariano Rajoy "tentar formar governo".

Reuters

Reuters

© Marcelo del Pozo / Reuters

O candidato do PSOE à presidência do Governo salientou, apesar de felicitar o PP pela vitória, que os resultados mostram que "Espanha quer esquerda e quer mudar".

Com 99% dos votos escrutinados, o PP conseguiu 122 deputados (face aos 186 que obteve em 2011), o PSOE registou 91 (quase menos 20 do que os 110 de há quatro anos). Já o Podemos - juntando as formações "irmãs" En Comú Podem, En Mareas e Compromís - vai estrear-se no Parlamento espanhol com 69 deputados. O Ciudadanos de Albert Rivera também entra para o Congresso com 40 assentos.

Numa declaração aos jornalistas e apoiantes na sede do partido, em Madrid, Pedro Sánchez declarou-se "enormemente orgulhoso de liderar o PSOE", um partido que "se define e sempre definiu como um partido ganhador".

"Para nós, ganhar ao PP sempre significou mudar as políticas, mas infelizmente hoje não foi assim. Espanha mostrou que quer esquerda, que quer mudar. Mas felicito o PP por ser a primeira força política em Espanha", sublinhou o secretário-geral do PSOE.

Para o dirigente socialista, que regista assim o pior resultado de sempre do PSOE, "abre-se agora uma nova etapa, com mais diálogo".

"Democracia é diálogo. E o PSOE está disposto a dialogar, a debater e a discutir" novas políticas para os espanhóis, acrescentou.

Entre gritos de "Presidente! Presidente!" - algo que o PSOE conseguiria caso chegasse a acordo com o Podemos e vários outros pequenos partidos regionais e nacionalistas - Pedro Sánchez salientou que cabe ao PP "tentar formar governo".

"Em coerência com o que defendemos ao longo da campanha, digo que cabe à primeira força [o PP] tentar formar governo", disse apenas Sánchez, que ao longo da campanha não rejeitou - com as condições certas - tentar formar uma grande coligação de esquerda para afastar a direita.

O PP, de Mariano Rajoy, venceu domingo, com 122 deputados, as eleições em Espanha, que ditaram o fim do bipartidarismo, mas sem a maioria para formar governo, o que obrigará a negociações.

Dois dos vitoriosos da noite eleitoral são os partidos emergentes, o Podemos, de Pablo Iglesias, à esquerda, com 69 deputados , e o Ciudadanos, de Alberto Rivera, com 40 deputados.

O outro partido histórico da democracia espanhola, o PSOE, de Pedro Sanchez, foi o segundo mais votado, mas com 91 deputados.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41