sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Socialistas felicitam Rajoy e dizem que cabe ao PP "tentar formar Governo"

O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, felicitou hoje o PP pela vitória nas eleições gerais espanholas e considerou que cabe, em primeiro lugar, ao partido de Mariano Rajoy "tentar formar governo".

Reuters

Reuters

© Marcelo del Pozo / Reuters

O candidato do PSOE à presidência do Governo salientou, apesar de felicitar o PP pela vitória, que os resultados mostram que "Espanha quer esquerda e quer mudar".

Com 99% dos votos escrutinados, o PP conseguiu 122 deputados (face aos 186 que obteve em 2011), o PSOE registou 91 (quase menos 20 do que os 110 de há quatro anos). Já o Podemos - juntando as formações "irmãs" En Comú Podem, En Mareas e Compromís - vai estrear-se no Parlamento espanhol com 69 deputados. O Ciudadanos de Albert Rivera também entra para o Congresso com 40 assentos.

Numa declaração aos jornalistas e apoiantes na sede do partido, em Madrid, Pedro Sánchez declarou-se "enormemente orgulhoso de liderar o PSOE", um partido que "se define e sempre definiu como um partido ganhador".

"Para nós, ganhar ao PP sempre significou mudar as políticas, mas infelizmente hoje não foi assim. Espanha mostrou que quer esquerda, que quer mudar. Mas felicito o PP por ser a primeira força política em Espanha", sublinhou o secretário-geral do PSOE.

Para o dirigente socialista, que regista assim o pior resultado de sempre do PSOE, "abre-se agora uma nova etapa, com mais diálogo".

"Democracia é diálogo. E o PSOE está disposto a dialogar, a debater e a discutir" novas políticas para os espanhóis, acrescentou.

Entre gritos de "Presidente! Presidente!" - algo que o PSOE conseguiria caso chegasse a acordo com o Podemos e vários outros pequenos partidos regionais e nacionalistas - Pedro Sánchez salientou que cabe ao PP "tentar formar governo".

"Em coerência com o que defendemos ao longo da campanha, digo que cabe à primeira força [o PP] tentar formar governo", disse apenas Sánchez, que ao longo da campanha não rejeitou - com as condições certas - tentar formar uma grande coligação de esquerda para afastar a direita.

O PP, de Mariano Rajoy, venceu domingo, com 122 deputados, as eleições em Espanha, que ditaram o fim do bipartidarismo, mas sem a maioria para formar governo, o que obrigará a negociações.

Dois dos vitoriosos da noite eleitoral são os partidos emergentes, o Podemos, de Pablo Iglesias, à esquerda, com 69 deputados , e o Ciudadanos, de Alberto Rivera, com 40 deputados.

O outro partido histórico da democracia espanhola, o PSOE, de Pedro Sanchez, foi o segundo mais votado, mas com 91 deputados.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.