sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Imprensa espanhola destaca incerteza quanto ao novo Governo após as eleições

O previsível cenário de "ingovernabilidade" em Espanha domina hoje as manchetes dos jornais espanhóis, dia seguinte das eleições gerais que ditaram a vitória sem maioria absoluta do PP e dificuldades de acordos pós-eleitorais para qualquer um dos partidos.

© Marcelo del Pozo / Reuters

O ABC titula "Espanha deixa o Governo em suspenso [en el aire]", enquanto o El Mundo destaca "Espanha derruba o bipartidismo e deixa em suspenso o Governo" e o La Vanguardia escreve apenas "Governo em suspenso".

Na capa do ABC surge uma grande infografia com as províncias de Espanha pintadas a azul, a simbolizar as 38 (entre 52) regiões onde o PP foi o mais votado. "O PSOE só venceu em seis circunscrições, o que limita as opções de Pedro Sánchez", destaca o jornal.

O El Mundo recorda em capa que o bipartidismo PP e PSOE perdeu "mais de cinco milhões de votos" (para um total de 12,8 milhões), enquanto os emergentes Podemos e Ciudadanos "superam os oito mihões".

O jornal também reproduz uma das frases da noite de Pablo Iglesias, do Podemos: "O que se votou foi uma mudança de sistema".

O El País destaca que a "Perda de maioria pelo PP abre caminho aos pactos" e o La Razón reconhece que "Rajoy ganha as eleições com um parlamento ingovernável".

Nos regionais, o Diário de Sevilha diz que "A raquítica vitória de Rajoy deixa Espanha sem governo", enquanto o basco El Correo salienta que "O PP ganha sem maioiria para governar". Entre os jornais catalães, o El Periódico de Catalunya é mais claro - "Confusão geral" - enquanto o Punt Avui escreve "Confusão em Espanha, fôlego para a Catalunha".

Os galegos La Voz de Galicia titulam "Sem Maiorias" e o Faro de Vigo reproduz em manchete a principal frase da noite de Mariano Rajoy: "Buscarei um governo estável".

Os económicos escrevem "Instabilidade política" (Expansión) e "Sodoku para Governar" (Cinco Días).

O PP, de Mariano Rajoy, venceu domingo, com 123 deputados, as eleições em Espanha, que ditaram o fim do bipartidarismo, mas sem a maioria para formar governo, o que obrigará a negociações.

Dois dos vitoriosos da noite eleitoral são os partidos emergentes, o Podemos, de Pablo Iglesias, à esquerda, com 69 deputados , e o Ciudadanos, de Alberto Rivera, com 40 deputados.

O outro partido histórico da democracia espanhola, o PSOE, de Pedro Sanchez, foi o segundo mais votado, mas com 90 deputados.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.