sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Imprensa espanhola destaca incerteza quanto ao novo Governo após as eleições

O previsível cenário de "ingovernabilidade" em Espanha domina hoje as manchetes dos jornais espanhóis, dia seguinte das eleições gerais que ditaram a vitória sem maioria absoluta do PP e dificuldades de acordos pós-eleitorais para qualquer um dos partidos.

© Marcelo del Pozo / Reuters

O ABC titula "Espanha deixa o Governo em suspenso [en el aire]", enquanto o El Mundo destaca "Espanha derruba o bipartidismo e deixa em suspenso o Governo" e o La Vanguardia escreve apenas "Governo em suspenso".

Na capa do ABC surge uma grande infografia com as províncias de Espanha pintadas a azul, a simbolizar as 38 (entre 52) regiões onde o PP foi o mais votado. "O PSOE só venceu em seis circunscrições, o que limita as opções de Pedro Sánchez", destaca o jornal.

O El Mundo recorda em capa que o bipartidismo PP e PSOE perdeu "mais de cinco milhões de votos" (para um total de 12,8 milhões), enquanto os emergentes Podemos e Ciudadanos "superam os oito mihões".

O jornal também reproduz uma das frases da noite de Pablo Iglesias, do Podemos: "O que se votou foi uma mudança de sistema".

O El País destaca que a "Perda de maioria pelo PP abre caminho aos pactos" e o La Razón reconhece que "Rajoy ganha as eleições com um parlamento ingovernável".

Nos regionais, o Diário de Sevilha diz que "A raquítica vitória de Rajoy deixa Espanha sem governo", enquanto o basco El Correo salienta que "O PP ganha sem maioiria para governar". Entre os jornais catalães, o El Periódico de Catalunya é mais claro - "Confusão geral" - enquanto o Punt Avui escreve "Confusão em Espanha, fôlego para a Catalunha".

Os galegos La Voz de Galicia titulam "Sem Maiorias" e o Faro de Vigo reproduz em manchete a principal frase da noite de Mariano Rajoy: "Buscarei um governo estável".

Os económicos escrevem "Instabilidade política" (Expansión) e "Sodoku para Governar" (Cinco Días).

O PP, de Mariano Rajoy, venceu domingo, com 123 deputados, as eleições em Espanha, que ditaram o fim do bipartidarismo, mas sem a maioria para formar governo, o que obrigará a negociações.

Dois dos vitoriosos da noite eleitoral são os partidos emergentes, o Podemos, de Pablo Iglesias, à esquerda, com 69 deputados , e o Ciudadanos, de Alberto Rivera, com 40 deputados.

O outro partido histórico da democracia espanhola, o PSOE, de Pedro Sanchez, foi o segundo mais votado, mas com 90 deputados.

Lusa

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.

  • Crianças no Daesh - 2ª Parte
    23:43
  • Montenegro e o futuro do PSD: "Não vou pedir licença para avançar"
    1:41

    País

    Luís Montenegro admite que se achar que é a pessoa ideal para a liderança do PSD, não vai pedir licença a ninguém para avançar. Em entrevista à SIC Notícias, o ex-líder parlamentar do PSD diz que está ao lado de Passos Coelho mas sublinha que é importante que haja uma clarificação na liderança do partido.

    Entrevista SIC Notícias

  • "Estes engenheiros não tiveram formação para exercer arquitetura"
    7:00

    País

    O Parlamento aprovou esta quarta-feira as propostas do PSD e do PAN para devolver aos engenheiros a possibilidade de assinarem projetos de arquitetura. Os aquitetos discordam da medida. José Manuel Pedreirinho, presidente da Ordem dos arquitetos, esteve na Edição da Noite da SIC Notícias para falar sobre o assunto.

    Entrevista SIC Notícias

  • "Foi uma grande honra ser deputado"
    1:23

    País

    Alberto Martins vai deixar a vida política, o socialista renunciou esta quarta-feira ao cargo de deputado, que ocupava há 30 anos, com algumas interrupções. Alberto Martins desempenhou funções de ministro da Reforma do Estado no segundo Governo de António Guterres, e de ministro da Justiça no segundo Executivo liderado por josé Sócrates. O socialista vai ser substituído por Hugo Carvalho.